Os Vencedores do Oscar!

23 02 2015

Eu devo ter perdido umas 3 ou 4 entregas de prêmio, mas após isso acompanhei o Oscar até o fim (cerca de 2h, horário de Brasília). Assistir o prêmio com tradução simultânea SEMPRE é um incômodo, que nem sempre se consegue ignorar. Mas dessa vez foi suportável (horrível, mas suportável).

Neil Patrick Harris foi o apresentador da noite. Com mais erros que acertos, não tenho muitas reclamações. Apesar de piadas sofríveis, a cena em que ele refaz a “caminhada da vergonha” de Riggan Thomson (papel de Michael Keaton em Birdman) enquanto rolava a trilha jazz de fundo, como no filme, tocada por Miles Teller (o Andrew do espetacular Whiplash) fez valer praticamente todos os erros da noite!

Sem mais delongas, vamos aos prêmios, junto de minhas apostas e torcida!

Melhor filme

“Sniper Americano”

“Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)” (torcida e vencedor)

“Boyhood – Da Infância à Juventude” (aposta)

“O Grande Hotel Budapeste”

“O Jogo da Imitação”

“Selma”

“A Teoria de Tudo”

“Whiplash – Em Busca da Perfeição”

 

Melhor Diretor

Richard Linklater – Boyhood – Da Infância à Juventude (aposta)

Alejandro González Iñárritu – Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) (torcida e vencedor)

Wes Anderson – O Grande Hotel Budapeste

Morten Tyldum – O Jogo da Imitação

Bennet Miller – Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo

 

Melhor atriz

Marion Cotillard (“Dois Dias, uma Noite”)

Felicity Jones (“A Teoria de Tudo”) (torcida)

Julianne Moore (“Para Sempre Alice”) (vencedora)

Reese Witherspoon (“Livre”)

Rosamund Pike (“Garota Exemplar”) (aposta)

 

Melhor ator

Steve Carell (“Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo”)

Benedict Cumberbatch (“O Jogo da Imitação”) (tordica)

Michael Keaton (“Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância”) (aposta)

Eddie Redmayne (“A Teoria de Tudo”) (vencedor)

Bradley Cooper (“Sniper Americano”)

 

Melhor atriz coadjuvante

Patricia Arquette, “Boyhood – Da Infância à Juventude” (aposta e vencedora)

Keira Knightley, “O Jogo da Imitação”

Emma Stone, “Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)” (torcida)

Meryl Streep, “Caminhos da Floresta”

Laura Dern, “Livre”

 

Melhor ator coadjuvante

Edward Norton (“Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)”)

Ethan Hawke (“Boyhood – Da Infância à Juventude”)

J.K. Simmons (“Whiplash: Em Busca da Perfeição”) (torcida, aposta  e vencedor)

Mark Ruffalo (“Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo”)

Robert Duvall (“O Juiz”)

 

Melhor roteiro original

Wes Anderson, “O Grande Hotel Budapeste” (aposta)

  1. Max Frye e Dan Futterman, “Foxcatcher”

Alejandro González Inarritu, Nicolas Giacobone, Alexander Dinelaris, Armando Bo, “Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)” (torcida e vencedor)

Richard Linklater, “Boyhood – Da Infância à Juventude”

Dan Gilroy, “O Abutre”

 

Roteiro adaptado

Jason Hall – “Sniper Americano”

Graham Moore – “O Jogo da Imitação” (vencedor)

Paul Thomas Anderson – “Vício Inerente”

Anthony McCarten – “A Teoria de Tudo”

Damien Chazelle – “Whiplash” (torcida e aposta)

 

Melhor fotografia

Emmanuel Lubezki – “Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)” (torcida e vencedor)

Robert Yeoman – “O Grande Hotel Budapeste” (aposta)

Lukasz Zal e Ryszard Lenczewski – “Ida”

Dick Pope – “Sr. Turner”

Roger Deakins – “Invencível”

 

Melhor longa de animação

“Operação Big Hero” – Don Hall, Chris Williams e Roy Conli (vencedor)

“Os Boxtrolls” – Anthony Stacchi, Graham Annable e Travis Knight

“Como Treinar o Seu Dragão 2″ – Dean DeBlois e Bonnie Arnold (torcida e aposta)

“Song of the Sea” – Tomm Moore e Paul Young

“O Conto da Princesa Kaguya” Isao Takahata e Yoshiaki Nishimura

 

Melhor filme estrangeiro

“Ida” (vencedor)

“Leviatã” (torcida e aposta)

“Tangerines”

“Timbuktu”

“Relatos Selvagens”

 

Melhor canção original

“Glory” – “Selma” (aposta e vencedor)

“Everything Is Awesome” –  “Uma Aventura Lego” (torcida)

“Grateful” – “Além das Luzes”

“I’m Not Gonna Miss You” – “Glen Campbell: I’ll Be Me”

“Lost Stars” – “Mesmo Se Nada Der Certo”

 

Melhor documentário

“O Sal da Terra” (torcida)

“Citizenfour” (vencedor)

“A Fotografia Oculta de Vivian Maier”

“Last Days in Vietnam” (aposta)

“Virunga”

 

Melhor figurino

“O Grande Hotel Budapeste” – Milena Canonero (vencedor)

“Vício Inerente” – Mark Bridges

“Caminhos da Floresta” – Colleen Atwood (torcida e aposta)

“Malévola” – Anna B. Sheppard e Jane Clive

“Sr. Turner” – Jacqueline Durran

 

Melhor montagem

“Sniper Americano”

“Boyhood – Da Infância à Juventude” (aposta)

“O Grande Hotel Budapeste”

“Jogo da Imitação”

“Whiplash” (torcida e vencedor)

 

Melhor design de produção

“O Grande Hotel Budapeste” (aposta e vencedor)

“O Jogo da Imitação”

“Interestelar” (torcida)

“Caminhos da Floresta”

“Mr. Turner”

 

Melhor curta-metragem

“Aya”

“Boogaloo and Graham”

“Butter Lamp”

“Parvaneh”

“The Phone Call” (aposta e vencedor)

Categoria que vou no chute: deve levar The Phone Call.

 

Melhor curta de animação

“The Bigger Picture”

“The Dam Keeper”

“O Banquete” (torcida, aposta e vencedor)

“Me and My Moulton”

“A Single Life”

 

Melhor edição de som

“Sniper Americano” (vencedor)

“Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância” (torcida)

“O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos” (aposta)

“Interestelar”

“Invencível”

 

Melhor mixagem de som

“Sniper Americano”

“Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância” (torcida)

“Interestelar” (aposta)

“Invencível”

“Whiplash” (vencedor)

 

Melhores efeitos visuais

“Capitão América 2: O Soldado Invernal”

“Planeta dos Macacos: O Confronto”

“Guardiões da Galáxia” (torcida e aposta)

“Interestelar” (vencedor)

“X-Men: Dias de um Futuro Esquecido”

 

Melhor trilha sonora

“O Grande Hotel Budapeste” (aposta e vencedor)

“O Jogo da Imitação”

“Interestelar” (torcida)

“Mr. Turner”

“A Teoria de Tudo”

 

Melhor maquiagem e penteado

“Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo”)

“O Grande Hotel Budapeste” (vencedor)

“Guardiões da Galáxia” (torcida e aposta)

Um adendo: a categoria “Melhor curta-metragem de documentário” me passou batida no post original, então vou apenas colocá-la aqui.

Melhor documentário curta-metragem
“Crisis Hotline: Veterans Press 1” – Ellen Goosenberg Kent e Dana Perry – VENCEDOR
“Joanna” – Aneta Kopacz
“Our Curse” – Tomasz Sliwinski e Maciej Slesicki
“The Reaper (La Parka)” – Gabriel Serra Arguello
“White Earth” – J. Christian Jensen

Anúncios




Os “vencedores” do Framboesa de Ouro!

23 02 2015

Eu simplesmente esqueci do Framboesa de Ouro no fim de semana.

Mas ok, agora que lembrei vou colocar aqui (de novo) a lista, e agora coloquei minha aposta, minha torcida e o vencedor de cada categoria!

Vamos lá!

Pior filme

Kirk Cameron’s Saving Christmas (vencedor)

O Apocalipse

The Legend of Hercules

As Tartarugas Ninja (torcida)

Transformers 4 (aposta)

Pior ator

Kirk Cameron (Kirk Cameron’s Saving Christmas) (torcida e vencedor)

Nicolas Cage (O Apocalipse)

Kellan Lutz (The Legend of Hercules)

Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

Adam Sandler (Juntos e Misturados) (aposta)

 

Pior atriz

Drew Barrymore (Juntos e Misturados) (aposta)

Cameron Diaz (Mulheres ao Ataque e Sex Tape – Perdido na Nuvem) (torcida e vencedora)

Melissa McCarthy (Tammy)

Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

Gaia Weiss (The Legend of Hercules)

 

Pior ator coadjuvante

Mel Gibson (Os Mercenários 3)

Kelsey Grammer (Os Mercenários 3, Legends of Oz, Think Like a Man Too, Transformers 4) (aposta e vencedor)

Shaquille O’Neal (Juntos e Misturados) (torcida)

Arnold Schwarzenegger (Os Mercenários 3)

Kiefer Sutherland (Pompeia)

Pior atriz coadjuvante

Cameron Diaz (Annie)

Megan Fox (As Tartarugas Ninja) (torcida, aposta e vencedora)

Nicola Peltz (Transformers 4)

Susan Sarandon (Tammy)

Brigitte Ridenour (Kirk Cameron’s Saving Christmas)

 

Pior diretor

Michael Bay (Transformers 4) (aposta e vencedor)

Darren Doane (Kirk Cameron’s Saving Christmas)

Renny Harlin (The Legend of Hercules)

Jonathan Liebesman (As Tartarugas Ninja) (torcida)

Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

 

Pior remake, imitação ou sequência

Annie (vencedor)

Atlas Shrugged: Who Is John Galt?

The Legend of Hercules

As Tartarugas Ninja (torcida)

Transformers 4 (aposta)

 

Pior parceria

Quaisquer dois robôs e atores (robóticos) (Transformers 4)

Kirk Cameron & Seu Ego (Kirk Cameron’s Saving Christmas) (aposta, torcida e vencedor)

Cameron Diaz & Jason Segel (Sex Tape – Perdido na Nuvem)

Kellan Lutz & Seu Abdôme, Seus Peitorais ou Seus Glúteos (The Legend of Hercules)

Seth MacFarlane & Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

 

Pior roteiro

Kirk Cameron’s Saving Christmas (torcida e vencedor)

O Apocalipse

Sex Tape – Perdido na Nuvem

As Tartarugas Ninja

Transformers 4 (aposta)

 

Troféu Redentor

Ben Affleck (Argo e Garota Exemplar) (aposta e vencedor)

Jennifer Aniston (Cake)

Mike Myers (Supermensch)

Keanu Reeves (De Volta ao Jogo) (torcida)

Kristen Stewart (Camp X-Ray)





Um Palhaço Muito Louco *ou minhas impressões sobre A Coisa*

20 02 2015

Quando assisti ao telefilme de “It: A Obra Prima do Medo” pela primeira vez, alguns anos atrás, vi que eles conseguiram traduzir bem uma grande obra de Stephen King (seja no tamanho do livro, com mais de 1100 páginas ou na qualidade da história, que é fantástica) em pouco mais de três horas. Mas claro que eu ainda precisava ler a obra pra ter certeza disso. E foi o que fiz em 2014, quando a Suma das Letras finalmente relançou a obra em terras tupiniquins. Comprei logo que o livro foi lançado (não comprei em pré-venda, uma vergonha pra minha pessoa!) e levei cerca de um mês para conseguir terminá-lo. Ainda considero o filme uma boa adaptação, mas o terror que a história e, principalmente, Pennywise transmitem não foram completamente exprimidos na tela. Fica aqui agora a torcida para que a nova versão do filme consiga traduzir melhor (e que o ator tenha tanta capacidade quanto Tim Curry teve, porque ele foi MESMO um Pennywise assustador).

Bom, vamos ao que interessa: o livro. Desde o começo, quando acontece a primeira morte (e a primeira aparição de Pennywise) já fica um clima tenso, que a cidade de Derry realmente tem algo de estranho, alguma coisa que ninguém vê mas que torna a cidade realmente assustadora. Aliás, a “Coisa” em qualquer de suas formas é definitivamente tensa. E um personagem muito bem utilizado, sendo um dos preferidos dos fãs de King quando falamos do quesito maldade.

O “Clube dos Perdedores” (Losers’ Club no original) é composto por personagens que marcam de alguma forma. Temos o piadista (Richie Tozier), um com problema de gagueira (William ‘Bill’ Denbrough), o gordo que sofre bullying (Benjamin ‘Bem’ Hanscom), o com problema de saúde (Edward ‘Eddie’ Kaspbrak), o garoto negro (Michael ‘Mike’ Hanlon), o escoteiro e judeu (Stanley ‘Stan’ Uris) e a garota (Beverly ‘Bev’ Marsh). Por mais que soe meio preconceituoso o que escrevi, temos aqui um grupo forte de personagens, principalmente quando unidos. Bill é um líder nato, Bev desde cedo mostra ser uma garota de atitude e forte, Ben beira o gênio quando se trata de engenharia (vide a cena da represa), Richie sempre tem uma piada na ponta da língua (seja em boa hora ou fora dela), Stan tem um grande conhecimento acumulado, Eddie sempre está pronto pra ajudar no que quer que seja e Mike, o último a se juntar ao clube, demonstra uma bela força de vontade.

Temos ainda o trio de “vilões”, formado por Henry Bowers, Victor Criss e Reginald “Arroto” Huggins. Victor Criss e “Arroto” Huggins normalmente só vão na onda de Henry, o único do trio que REALMENTE é mal, tanto que Pennywise mais de uma vez se utiliza dele para tentar dar cabo do “Clube”. Aliás, Henry é reconhecido como um dos personagens humanos mais sádicos dentro da bibliografia de King. Muitas ações dele são completamente descabidas para alguém da idade dele, desde criança.

A história como um todo é fantástica, tanto quando o “Clube” ainda é adolescente como no momento em que, já adultos, retornam a Derry para, mais uma vez, enfrentar a “Coisa”. A lição de amizade e o fim da infância e adolescência que King mostra nesse livro é maravilhosa, como acontece no conto “O Corpo” (do livro “Quatro Estações”). O enredo pode parecer cansativo às vezes, mas eu vejo como necessário pra compreendermos melhor os personagens e seus problemas (sejam de ordem pessoal ou seu envolvimento com a Coisa).

De modo geral, é um dos melhores livros de Stephen King que li até hoje (e já passei dos 30!).





Spoder Man tá na área

13 02 2015

Desde o dia do anúncio do acordo entre Sony e Marvel Studios com relação ao Homem Aranha eu fiquei com vontade de fazer um texto, falando desde o primeiro filme até o que pode vir por aí. Bom, vamos lá!

Homem Aranha (2002)

Olha quem chegou!

                                  Olha quem chegou!

Quando esse filme veio ao mundo, após o estrondoso sucesso dos X-Men da FOX, muita gente não sabia o que esperar. Sam Raimi sempre foi um elogiado diretor (principalmente pelo pessoal apaixonado pela trilogia “The Evil Dead”), mas ele estava entrando em um território onde os fãs são realmente perigosos. Tobey Maguire tinha um relativo sucesso, principalmente com o filme “A Vida em Preto e Branco”. Bom, o filme estreou. E foi uma bela surpresa. Maguire conseguiu segurar bem a barra do papel de Peter Parker/Homem Aranha. Willem Dafoe, apesar de momentos de overacting, foi excelente como o vilão Norman Osborne/Duende Verde. James Franco iniciava ali um bom Harry Osborne.Kristen Dunst fazia uma Mary Jane Watson mediana.  Mas a grande surpresa veio de onde menos se esperava: J.K. Simmons e seu J. Jonah Jameson. Em toda a trilogia NINGUÉM foi capaz de superá-lo, mas falarei mais disso adiante.

Meça seus comentários, parça.

                            Meça seus comentários, parça.

A história de como Parker ganha seus poderes, perde seu tio e se transforma no Amigão da Vizinhança foi otimamente contada, dando início a uma bilionária trilogia. Mas, será que conseguiriam manter o fôlego?

Homem Aranha 2 (2004)

Here comes a new challenger!

                                     Here comes a new challenger!

Dois anos depois tivemos a resposta. Conseguiram melhorar e, apesar de eu pessoalmente (depois de tantos anos) desgostar do Tobey Maguire, foi nesse filme que ele, realmente, conseguiu chegar perto do que poderia se esperar do personagem. Um novo vilão chegou: o doutor Otto Octavius ou, como conhecemos, Dr. Octopus (vivido pelo excelente Alfred Molina). James Franco continuava demonstrando o crescimento de seu personagem, enquanto Kristen Dunst continuava mediana. E J.K. Simmons mantinha o nível de seu J. Jonah Jameson nas alturas. Peter e Mary Jane tentavam engatar um romance, mas nada parecia ajudar. E pra piorar, Harry descobre que o assassino de seu pai (o Homem Aranha) é seu melhor amigo. O melhor filme da trilogia, com sobra.

Vamos ver quem tá se escondendo aí.

                          Vamos ver quem tá se escondendo aí.

Homem Aranha 3 (2007)

Dose dupla!

                                            Dose dupla!

Quando anunciaram três vilões, a galera ficou receosa. Teríamos, enfim, Venom, além do Homem de Areia e o retorno do Duende. Apesar disso tudo, os fãs esperavam que ao menos mantivessem o nível dos filmes anteriores. Mas o que vimos foi uma das maiores (com o perdão da palavra) cagadas da história de Hollywood. Desde a produção fizeram de tudo para arruinar esse filme. Fizeram Sam Raimi engolir goela abaixo Venom (o diretor odiava o personagem), e após isso ele provavelmente resolveu tacar o foda-se e fazer um filme próximo do medíocre. Mas próximo não é o suficiente: ele ficou abaixo disso. Um Peter Parker EMO enquanto possuído pela simbionte alienígena (que depois dá origem a Venom quando cai sobre Eddie Brock, vivido por Topher Grace), a aparição de Gwen Stacy (que na verdade é a PRIMEIRA namorada de Peter Parker), entre outras coisas, fizeram esse filme cair em desgraça. Ao menos um personagem se salvou: Harry Osborne. O crescimento dele chegou ao ápice nesse filme, quando ele abraça a vingança pela morte de seu pai e se torna o Duende, quando numa luta com Peter ele perde uma visão (graças a uma explosão), e como no fim ele se redime e ajuda seu velho amigo na luta final contra Venom e o Homem de Areia. A morte dele é uma das cenas mais tocantes que eu vi (opinião pessoal, pfvr).

RIP

                                                   RIP

Mas esse filme decretou o fim do Homem Aranha no cinema, pelo menos por um tempo.

O Espetacular Homem Aranha (2012)

Reboot

                              Reboot

Quando resolveram dar um reboot na história, fizeram direito. Três problemas foram imediatamente resolvidos pelo diretor Marc Webb e pelo roteirista James Vanderbilt: começaram com a Gwen Stacy ao invés da Mary Jane Watson, o lançador de teias foi criado por ele ao invés de ser natural (esqueci de criticar isso ao falar da trilogia) e o Homem Aranha, FINALMENTE, fazia piadas enquanto estava em ação. Mas isso foi o suficiente pra fazer um bom filme? Eu diria que foi uma enorme ajuda. Andrew Garfield substituiu Tobey Maguire com maestria (eu realmente prefiro Garfield que Maguire, com sobra) e o vilão foi o Lagarto (fazendo justiça ao doutor Curt Connors, que apareceu nos TRÊS filmes de Raimi, mas nunca se tornou o vilão que todos esperavam).

FINALMENTE POARR!!

                               FINALMENTE POARR!!

O drama familiar dele foi bem explorado, incluindo os falecidos pais dele na história. Baseado mais no universo Ultimate do que no clássico, esse filme fez um bom trabalho, reiniciando de forma coesa e muito bacana a história do herói.

O Espetacular Homem Aranha 2 (2014)

Hmmmmm...

                                                 Hmmmmm…

Mais uma vez três vilões confirmados (bem mais rápido que nos filmes de Raimi). E a promessa de uma das cenas mais antológicas das HQs estar presente nesse filme. Apesar de um bom funcionamento dos vilões em cena, melhor do que em Homem Aranha 3 inclusive, o filme fracassou. Tanto pela crítica quanto pelo público, que não correspondeu as expectativas do estúdio. Jamie Foxx trouxe um Electro diferente à vida (mas ainda assim bem interessante).

Essa treta foi legal pra caramba!

                                         Essa treta foi legal pra caramba!

Harry Osborne (vivido por Dane DeHaan) foi bom, mas pra mim abaixo do Harry de James Franco. Paul Giamatti trouxe um Aleksei Sytsevich caricato, mas muito bom (muito graças à qualidade do ator). A cena da morte de Gwen Stacy foi muito bem criada, dando a carga emocional necessária que a cena exigia. Mesmo assim o filme foi o fracasso retumbante que todos nós sabemos, colocando num limbo as continuações (solo ou spin-offs).

Sony-hack e a internet

A internet resolveu agir. Muitos fãs falaram que a Sony deveria devolver o personagem à Marvel. Mas claro que a Sony não seria louca de largar o osso da franquia mais lucrativa deles. Mas um acontecimento colocou o mundo nerd em polvorosa: um vazamento de arquivos e e-mails da Sony por um grupo de hackers norte-coreanos (em retaliação ao filme “A Entrevista” com, vejam só, James Franco e Seth Rogen) mostrou que Sony e Marvel já estavam conversando, tentando achar um acordo que seria benéfico pra todo mundo (Sony, Marvel E Homem Aranha). Depois disso teorias explodiram pela web (RÁ!). Mas nenhum dos lados confirmava nada. Até que…

O Acordo

Na madrugada de terça-feira (dia 10 de fevereiro), quando ninguém esperava, Sony e Marvel vieram a público anunciar que haviam achado um denominador comum para um acordo. Basicamente o personagem continua nas mãos da Sony, mas a Marvel pode utilizá-lo em seus filmes. A Marvel, por sua vez, teria parte do controle criativo nos filmes-solo do Teioso. Primeiramente ele aparecerá em algum filme da Marvel, e em 2017 a Sony lançará um novo filme-solo. Aí fica a pergunta:

E agora?

Andrew Garfield já está oficialmente fora. Agora teremos que esperar QUEM será o ator escolhido para viver o personagem. Outra dúvida é em qual filme da Marvel o Aranha dará as caras. Muitos apostam no terceiro filme do Capitão América, Guerra Civil. Nesse arco das HQs o Homem Aranha é um dos principais personagens envolvidos na treta Steve Rogers x Tony Stark, e todo mundo imagina que ele seria substituído, no filme, pelo Pantera Negra (eu acho que AINDA será mesmo), além do fato de que a história do porque a treta se inicia será, provavelmente, diferente (muitos dizem que terá algo a ver com Bucky Barnes e Howard Stark). Bom, o jeito agora é esperar.