O Desabafo de Gelo e Fogo

24 05 2019

Nas últimas semanas (talvez até meses), potencializado pela temporada final de Game of Thrones, eu simplesmente entrei num loop de rage infinito por George Raymond Richard Martin. Eu cheguei a pegar uma birra pesada da série, mas quando coloquei as ideias no lugar (mais ou menos após a desastrosa ação de Daenerys em Porto Real no quinto episódio da oitava temporada) repensei e passei a ver a série de outro modo, como um material diferente dos livros. Os showrunners D.B. Weiss e David Benioff realmente tomaram algumas medidas criativas duvidosas até o fim da quinta temporada, mas a série se manteve até bem consistente. À partir do primeiro episódio da sexta temporada, quando o material original em que a série se baseava esgotou, D&D passaram a tomar medidas pra lá de caóticas. Mas mesmo com um monte de furos e ESQUECIMENTOS eles completaram a série. Foi um final bom? Não. Mas foi digno pro caminho que eles resolveram tomar. O ponto é que Martin, que lançou “A Dança dos Dragões” em 2011 (ano em que a série começou a ser exibida na HBO), simplesmente não lançou “Os Ventos de Inverno”, o sexto livro da série “As Crônicas de Gelo e Fogo”, por mais que os fãs estejam na expectativa desde pelo menos 2012 (quando o livro saiu aqui no Brasil pela LeYa, numa história que daria outro texto interessante).

Martin é um procrastinador de primeira linha. Numa entrevista com Stephen King ele chegou a perguntar COMO o autor de livros como “Carrie” e “It: A Coisa” conseguia lançar dois livros ao ano. A resposta de King diz muito: “King riu e explicou que tenta escrever três ou quatro horas por dia, e produzir uma meia dúzia de páginas. “Há livros e livros. Então, se o manuscrito tem 360 páginas, o trabalho dura dois meses, mas isso supondo que esteja tudo indo bem”, explicou o mestre do terror.” (https://veja.abril.com.br/entretenimento/george-r-r-martin-quer-saber-como-stephen-king-escreve-tao-rapido/)

Então é algo simples: enquanto King tem em mente que ele pode escrever um pouco por dia e lançar essa média de dois livros por ano (ou um por ano se for um calhamaço de quase mil páginas como “Novembro de 63” ou “Sob a Redoma”), Martin parece ter uma dificuldade enorme de manter isso em mente. E por isso “As Crônicas de Gelo e Fogo” estão em hiato desde 2011. E é esse ‘descaso’ que me faz sentir um desgosto gigantesco por Martin, novamente potencializado por suas reclamações sobre o fim da série, já que ele disse em determinado momento ter contado a D&D como ele imaginava o final. Só que sem uma base de como chegar exatamente àquele final D&D precisariam de um milagre para conseguir bolar algo em 23 episódios entre a sexta e a oitava temporada para fazer Martin “feliz” com esse final.

Nos resta esperar que Martin resolva cumprir sua nova previsão, e que mais ou menos em julho de 2020 esse livro já tenha sido lançado. Eu acredito? Já cheguei num ponto que de verdade duvido que ele lance “Os Ventos de Inverno”, mas como eu realmente gosto MUITO dessa saga também estou na torcida de que esse gordo barbudo finalmente pare de procrastinar (principalmente agora que a série acabou e os spin offs ainda estão em pré produção ou conversas) e deixe os fãs felizes.

Mas no fundo eu ainda duvido.