Viva: A Vida é um Coco

30 01 2018

Todos nós sabemos que a parceria Disney/Pixar costuma render filmes maravilhosos e emocionantes (tá certo que aparecem uns tropeços no caminho, mas são raros). E o mais novo filme dessa parceria vai no caminho do sucesso absoluto, algo mais Divertida Mente e menos Carros 3.

Coco_poster

Viva: A Vida é uma Festa (Coco no original) traz a história de Miguel, um garoto de uma família de sapateiros (há pelo menos quatro gerações), mas que tem o sonho de ser um músico de sucesso, como seu grande herói Ernesto de la Cruz, o maior músico da história do México. Eu estava digitando um resumo do filme, mas vou completar a sinopse. Miguel acaba indo parar no mundo dos mortos, e vive lá grandes aventuras em busca de seu ídolo e retornar ao mundo dos vivos.

COCO

Não preciso dizer nada além disso, senão poderia estragar o filme. No começo tudo parecia normal. Só parecia. O desenho é Pixar de qualidade de ponta a ponta, com uma história cativante e emocionante, e personagens que te cativam sem esforço algum, além de músicas excelentes. Eu fiquei enrolando, mas AINDA BEM que vi no cinema, senão seria um daqueles que passaria a vida me arrependendo de não ter visto em tela grande.

MW-FY734_Coco_0_20171120145133_ZH

Outra nota aqui vai pra dublagem brasileira, MUITO boa como costuma acontecer em animações (sejam longas ou séries, normalmente o Brasil tem uma das melhores dublagens do mundo), sendo o motivo maior de eu SEMPRE abrir exceção para animações dubladas no cinema (filmes eu tenho uma resistência ENORME, mas os últimos filmes que vi no cinema tinham também ótimas dublagens).

coco (1)

Esse será outro na minha coleção de DVDs num futuro (não tão) próximo, e não vejo a hora de assisti-lo outra vez!

Anúncios




A DC no Cinema, Dez Anos Depois de The Dark Knight

22 01 2018

Em setembro de 2008, cerca de um mês e meio após a estréia de Batman: O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight) eu resolvi escrever sobre o filme, desde o momento que sucedeu o fim de Batman Begins, passando pela escolha de Heath Ledger para o papel do Coringa, sua morte prematura meses antes da estreia do filme e, quando enfim o filme chegou aos cinemas, e pudemos ver uma obra prima e uma atuação magistral de Ledger, que acabou sendo premiado postumamente em diversas premiações, incluindo um Oscar de Melhor Ator Coadjuvante.

Hoje completa dez anos da morte de Ledger, graças a uma overdose acidental de remédios que ele ingeriu (dizem que ele começou a toma-los graças a loucura que foi sua preparação para viver o Coringa, mas nunca confirmaram isso… e hoje eu acho pouco provável também). Como o texto de 2008 já disse muito sobre o filme à época, vou falar mais sobre como ele está dez anos depois, e como ele (e a trilogia Batman de Christopher Nolan) acabou sendo uma bênção e uma maldição para a DC nos cinemas.

A visão mais sombria de Nolan foi certeira para essa trilogia, num momento onde só tínhamos ali os filmes do Homem Aranha e dos X-Men como parâmetro (e um péssimo Superman: O Retorno na conta da DC), e a Marvel dando o pontapé inicial do que ficaria conhecido como o Marvel Cinematic Universe com Homem de Ferro (até então era apenas uma aposta da Marvel, que deu muito certo, como dez anos puderam provar). A criação, o auge, a queda e a redenção do Morcego em três atos foi um marco na história do cinema, e que levou a mesma DC a convocar Nolan como produtor de seu reinício do Superman, com Homem de Aço (vivido por Henry Cavill e dirigido pelo “visionário diretor de 300” Zack Snyder). O problema é que a visão mais dark do Superman provou-se um erro, já que o personagem é praticamente a luz de esperança que a DC tem, e então Nolan decidiu se afastar mais do que então ficou conhecido como DC Extended Universe, no que agora sabemos ser uma falha IMENSA da DC de querer fazer o mesmo que a Marvel fez, sendo que no começo a própria DC disse que não era o jeito deles de fazer as coisas.

Bom, após Homem de Aço tivemos ainda Batman vs Superman, Esquadrão Suicida, Mulher Maravilha e Liga da Justiça, onde apenas Mulher Maravilha escapou do massacre da crítica (e de grande parte do público), sendo que esses filmes só são mesmo defendidos pelos fãs da DC (que muitas vezes se provam desprovidos de uma crítica mais sensata, se bem que os fãs da Marvel também sofrem desse problema). Ao perceber que foi tudo um grande erro, agora a DC está revendo o DCEU, e pretende lançar mais filmes fechados (que normalmente são um acerto) e ainda não sabem bem o que fazer com a história até agora, principalmente com o lançamento em 2018 do filme solo do Aquaman.

Agora, falando mais um pouco sobre The Dark Knight após esses dez anos. Esse é um filme que vai continuar envelhecendo bem, porque é uma obra tão bem encaixada, com um enredo pra lá de incrível, cenas espetaculares (principalmente as filmadas em IMAX) e uma execução geral que eu só fui ver novamente em Mad Max: Fury Road, praticamente sete anos depois. Eu imagino que mesmo a DC/Warner conseguirá, dificilmente, fazer um filme daquele nível dentro do seu universo, seja ele estendido ou fechado. Eu gosto de certos detalhes nos filmes do DCEU (menos em Esquadrão Suicida, esse nada escapa). Homem de Aço é um filme subestimado, com o melhor vilão da DC pós trilogia do Nolan (e pra mim um dos melhores vilões dos filmes de herói nesses dez anos, entre DC, Marvel ou outras). Batman vs Superman teve momentos bacanas, como a Mulher Maravilha ou até mesmo a batalha contra o Apocalypse. Mulher Maravilha era pra ser o melhor filme do DCEU até agora, mas com um terceiro ato MEDÍOCRE e um vilão horrível o filme perdeu MUITA força, mas mesmo assim considero o segundo melhor do DCEU. Liga da Justiça foi um filme divertido, com o verdadeiro Superman finalmente dando as caras e acaba sendo o melhor dessa leva até o momento.

Agora o que podemos fazer é esperar a DC ressurgir das cinzas, ou apenas continuarmos apostando nas animações que ela faz, que normalmente são incríveis!





Desabafo Maravilha

13 01 2018

Eu juro que tentei aguentar o máximo. Suportei diversos momentos de pura campanha exagerada e absurda. Até concordei que era um bom filme. Mas o Critics Choice Awards me fez explodir.

Mulher Maravilha como melhor filme de ação, concorrendo com Logan e Planeta dos Macacos: A Guerra??? Ainda haviam Thor: Ragnarok e Baby Driver na disputa, mas esses dois, por mais que eu ache melhor que Mulher Maravilha, ainda aceitaria. Agora… Logan e Planeta dos Macacos é INADMISSÍVEL.

Mulher Maravilha, como uma arma de campanha, pode até ser aceitável. Agora, levar ele como um filme de ação melhor do que uma obra prima como Logan e um filme incrível como Planeta dos Macacos? Desculpa, não tem como. É absurdo. É ridículo. É ERRADO.

O filme tem uns bons momentos, como a cena nas trincheiras (essa posso até considerar a melhor cena do DCEU até agora), e uma construção de relacionamento bacana entre ela e o Steve Trevor. Mas o terceiro ato INTEIRO do filme é um erro. O vilão é tão péssimo quanto o Steppenwolf de Liga da Justiça ou quase todos os vilões do MCU. A conclusão da história é ridícula. Eu tenho pra mim que o filme levou esse prêmio mais pela carga de críticas à falta de mulheres nas premiações (que em certo nível concordo) do que pela qualidade em si da obra.

Foi um desabafo que estava guardado desde que começaram a campanha pelo Oscar para o filme e sua diretora, e que exacerbou nesse Critics Choice à ponto de eu pegar birra definitiva do filme.