As Leituras de 2011

30 03 2011

Março está se findando. E eu já cheguei ao nono livro do ano. Comecei a ler hoje “Os Sete”, de André Vianco.
Mas… e quando aos livros anteriores?
Vamos a um comentário rápido sobre cada um deles.

Morto Até o Anoitecer – Charlaine Harris
Primeiro livro da coleção que deu origem à série televisiva True Blood. Um alívio após a melação da saga “Crepúsculo” de Stephenie Meyer. Neste livro temos um plot semelhante ao de Crepúsculo, mas com algumas diferenças importantes: os vampiros não brilham no sol, eles morrem; eles estão inseridos na sociedade; é fabricado um sangue sintético para atender a demanda e evitar mortes de humanos.

Coisas assim permeiam esse livro, que é cheio de ação e suspense na medida certa. Ótima pedida!

A Batalha do Apocalipse – Eduardo Spohr

Literatura brasileira de qualidade inquestionável! Esse nerd carioca traz nesse livro os acontecimentos que precedem o fim do mundo, e a batalha final entre as hordas satânicas e os anjos celestes. Mas ainda há tempo para intrigas e flashbacks interessantíssimos, com referências históricas e bíblicas muito coesas. Leitura obrigatória para qualquer nerd de plantão ou para aqueles que gostam de uma boa história!

O Guia do Mochileiro das Galáxias e O Restaurante no Fim do Universo – Douglas Adams

A Terra foi demolida. Aí você pergunta: “Demolida? Não seria DESTRUÍDA?”. Mas eu respondo: não, demolida. Para a construção de uma rodovia interespacial. Mas um terráqueo conseguiu escapar ileso. Seu nome: Arthur Dent. Ele escapa graças a seu amigo Ford Prefect, que na verdade não era de Guildford, mas sim de um planeta perto de Betelgeuse. Assim se inicia as aventuras de Arthur pelo Universo, ao lado de Ford, do “presidente da galáxia” Zaphod Beeblebrox e Trillian (também conhecida como Tricia McMillan), também uma habitante da Terra, que tinha saído em viagem com Zaphod alguns meses antes da demolição. Sem contar Marvin, o andróide paranóide, e toda a sua depressão por ser algo com a inteligência do tamanho de um planeta, mas não ser utilizado como queria.
Após as aventuras d’O Guia do Mochileiro das Galáxias, entramos em O Restaurante no Fim do Universo. Zaphod ainda está sendo caçado por problemas causados no primeiro livro. Todos se separam, e os problemas parecem que não tem fim!

Lugar Nenhum – Neil Gaiman

Uma fantasia cheia de intrigas e personagens interessantíssimos. Acompanhamos a saga de Richard Mayhew, um típico inglês mediano. Um trabalho comum, mora num apartamento comum e está noivo. Numa noite, indo a um jantar com sua noiva, ele encontra uma garota caída. Mesmo com os protestos de sua noiva, ele leva a garota ferida para seu apartamento. A partir daí, sua vida dá uma reviravolta, e ele parte em busca de sua antiga vida novamente, juntamente com sua nova amiga Door. Ótimo livro.

Sandman: Caçadores de Sonhos – Neil Gaiman

Mais uma pérola criada por Gaiman. Nessa história, uma raposa e um lobo apostam quem conseguiria tirar um monge de seu templo mais facilmente. Mas a raposa acaba se apaixonando pelo monge, e a partir daí passa a guardar o templo, mesmo que de longe, só para poder ficar perto do seu amado.
Mas, quando um grande advinho prediz que ele ou o monge morrerá, uma caçada começa. Uma caça dentro dos sonhos, em que a raposa fala com o deus dos sonhos e pede intermédio em nome do seu amado.
Recomendado!

Rose Madder – Stephen King

Do mestre do suspense, mais uma incrível obra cheia de momentos tensos!
Rose Daniels está no limite do desespero.´
Após 14 anos de constantes agressões sofridas pelo seu marido, o policial Norman Daniels, ela resolve fazer uma loucura: fugir de casa. Ela pega o cartão de crédito de Norman e foge para longe de sua casa, de sua cidade.
Ao descobrir isso, Norman começa a enlouquecer ainda mais, e começa então uma caçada frenética.
Rose tenta levar uma nova vida, conhecer novas pessoas, encontrar novamente o amor. Mas Norman não deixará isso barato, e tentará a todo custo acabar com Rose.
Uma leitura tensa e imprescindível aos fãs do grande Stephen King!

Percy Jackson e os Olimpianos – Livro 1: O Ladrão de Raios

Conheçam Percy Jackson. Um garoto-problema: Em seis anos, foi expulso de seis colégios. Além disso, ele tem distúrbio de atenção e dislexia.
Se não bastasse isso, ele ainda por cima é um meio-sangue (filho de um humano com um deus). Mas ele descobre isso da pior maneira possível: sendo caçado sem ao menos entender o porque!
Sem deixar muitos spoilers, recomendo a leitura desse primeiro livro, que é cheio de aventuras e ação!

Anúncios




Do Visionário Diretor de 300 e Watchmen *ou Sucker Punch*

28 03 2011

Passei um longo tempo sem postar algo por aqui, ainda mais falando sobre um filme específico.
Mas na última sexta feira fui à sala IMAX do Bourbon Shopping para ver a estréia do novo filme do diretor Zack Snyder, “Sucker Punch”.

Olha o logo, que bonitinho! xD

Após ele dirigir o remake de “Madrugada dos Mortos”, um clássico de George Romero, ele foi escolhido para dirigir a adaptação da graphic novel “300”, juntamente com seu autor, Frank Miller. Resultado: sucesso absoluto.

This is Sparta!

This is Sparta!

E para seu próximo filme ele ganhou a alcunha de “visionário”. Mas era um trabalho mais complicado: Watchmen, do gênio Alan Moore.

Aí estão nossos heróis.

Aí estão nossos heróis.

Watchmen não teve a mesma resposta da crítica e do público que 300, mas ainda assim foi um filmaço!

E então, ele fez sua primeira animação: “A Lenda dos Guardiões”, baseado nos livros da série “Os Guardiões de Ga’Hoole”. Como esse eu não assisti, não vou opinar.

Soren

E lá vai nosso herói, voando...

E após isso, Snyder finalmente resolveu levar a cabo a história que ele criou, seu próprio mundo: “Sucker Punch”.

Para começar, eu deveria dizer que a cabeça de Zack Snyder é realmente complexa. Para ele criar mundos como aqueles em que se é visto no filme, ele só pode ser maluco!

Segundo, eu admito: visualmente falando, foi o melhor filme que eu já vi. Mesmo que o resultado final não seja o melhor filme da história, é um grande filme e merece respeito!

E por fim: as garotas são um show à parte!

Garotas

Rapaz... nem digo nada.

Bom, já falei que o visual do filme é algo incontestavemente insuperável. Mas… e a história?

Ela é focada em Baby Doll (Emily Browining, a Violet de “Desventuras em Série”, que cresceu bem, por sinal…). Após uma série de infortúnios (piada pronta!), ela vai parar num sanatório. Lá, ela conhece as outras garotas: Blondie (Vanessa Hudgens, de High School Musical, surpreendente), Rocket (Jena Malone), Amber (Jamie Chung) e Sweet Pea (Abbie Cornish), além de terem “aulas” com a Madame Gorski (a sempre estonteante Carla Gugino, de filmes como Watchmen). Lá, ela descobre como o mundo da sua mente pode levá-la até lugares inacreditáveis.

Não me darei ao luxo de dizer mais nada, porque qualquer coisa além disso pode ser considerada como spoiler.

Vale a pena uma ida ao cinema, só digo isso!!

Now playing: Sakura Saku – Megumi Hayashibara





Minha visão sobre o Oscar 2011

1 03 2011

E lá se foi o Oscar 2011.

Poster da premiação.

Poster da premiação.

 

A premiação da Academia, de um modo geral, não tem mais a força que tinha outrora, mas ainda tem um peso enorme pra muita gente. Eu não me incluo, mas ainda acho o Oscar divertido.

Esse ano, os grandes favoritos eram “O Discurso do Rei”, “A Rede Social”, “Cisne Negro” e “Bravura Indômita”.

Então, vamos primeiro aos indicados e vencedores. Os vencedores estarão em negrito. Os links levarão direto ao site do Omelete.

Melhor filme

Melhor diretor

Melhor ator

Melhor atriz

Melhor ator coadjuvante

Melhor atriz coadjuvante

Melhor roteiro original

Melhor roteiro adaptado

Melhor longa animado

Melhor filme em lingua estrangeira

Melhor direção de arte

Melhor fotografia

Melhores efeitos visuais

Melhor figurino

Melhor montagem

Melhor maquiagem

Melhor documentário

Melhor documentário em curta-metragem

  • Killing in the Name
  • Poster Girl
  • Strangers no More
  • Sun Come Up
  • The Warriors of Qiugang

Melhor curta-metragem

  • The Confession
  • The Crush
  • God of Love
  • Na Wewe
  • Wish 143

Melhor animação em curta-metragem

  • Day & Night
  • The Gruffalo
  • Let’s Pollute
  • The Lost Thing
  • Madagascar, Carnet de Voyage

Melhor trilha sonora

Melhor canção original

Melhor edição de som

Melhor mixagem de som

 

Esse ano o Oscar estava ligeiramente previsível. “O Discurso do Rei” levou 4 estatuetas, empatado com “A Origem”, mas esse último levou prêmios técnicos (com justiça, o filme foi uma obra-prima visual, além da excelente história). “A Rede Social” levou 3 estatuetas. A história de como o excêntrico e inescrupuloso Mark Zuckeberg virou um bilionário não foi páreo para a bela história do príncipe Albert vence a gagueira para se tornar o homem que declara guerra à Hitler.

Já “Cisne Negro” levou apenas uma estatueta, apesar da badalação que o filme teve em volta dele, principalmente da atuação emblemática de Natalie Portman, que lhe rendeu o Oscar. “O Vencedor” terminou a noite com duas estatuetas, para seus atores coadjuvantes. Christian Bale, nosso Batman, levou seu primeiro prêmio.

“A Origem”, com seus prêmios técnicos, fez bonito, mesmo ele merecendo mais do que isso.

E esse ano, o que será que terá de bom para a premiação do ano que vem?