The Songs of Equestria

10 06 2017

Tudo o que já falei sobre My Little Pony é legal, mas tem algo que é parte importantíssima da série e até agora não tratei: as músicas. Em boa parte dos episódios as músicas dizem muito sobre a situação ou o sentimento das personagens. Vou colocar aqui algumas das minhas preferidas até agora (quinta temporada). E depois faço outro sobre as músicas de Equestria Girls, que também são excelentes!

maxresdefault

This Day Aria
Twilight Sparkle é surpreendida por um convite de casamento: Cadence,a única amiga de infância (e que também era babá dela) vai se casar com seu irmão mais velho, Shining Armor! Twilight fica brava a princípio por não ter sido avisada antes, mas depois fica super feliz com o casório. Mas ela passa a estranhar o comportamento de Cadence (que insiste em ser chamada por seu verdadeiro nome, Mi Amore Candenza). Twilight então passa a perceber que ela está fazendo algo a seu irmão, e tenta impedir. Como ela é desacreditada na situação acaba desistindo, porém Cadence se mostra mesmo má e acaba mandando Twilight pra um lugar longe. Lá Twilight acaba encontrando a verdadeira Cadence, e elas passam a tentar fugir da caverna em que estão para impedir o casamento. O “dueto” entre as duas Cadence (a verdadeira e a que tomou o lugar dela, e logo depois é mostrado quem é ela) é incrível. Mas não apenas por isso, e sim pelas disparidades entre o verdadeiro amor da Princesa Cadence pelo Shining Armor e todo o desprezo pela situação da Cadence falsa, mas que mesmo assim quer aproveitar ao máximo a situação e, mesmo “não tendo lugar em seu coração” ainda quer o noivo só pra ela.

Vídeo de This Day Aria

 

The Pony I Want to Be
Diamond Tiara é uma potrinha de família rica, e por isso passa quase cinco temporadas aporrinhando as Cutie Mark Crusaders por elas serem, como ela mesma diz, “flancos lisos” (Sweetie Belle, Scootaloo e Apple Bloom são chamadas de Cutie Mark Crusaders justamente porque estão em busca de suas cutie marks). Em dado momento Diamond Tiara perde uma eleição na escola pro potrinho que era apoiado pelas Crusaders, e a mãe dela não fica nada satisfeita. É aí que ela canta essa canção, e todos (principalmente as Crusaders) passamos a entender que, no fundo, Diamond é apenas alguém que sofre uma enorme pressão por parte dos pais e não consegue ser ela mesma. Impossível não achar a canção tocante.

Vídeo de The Pony I Want to Be

The Magic Inside
Countess Coloratura é a maior “diva pop” de Equestria. Em dado momento, Pinkie Pie consegue chamá-la para um festival beneficente em Ponyville. Mas aí descobrimos que Applejack era amiga dela de infância, e fica feliz de revê-la tanto tempo depois. O que Applejack não compreende é como ela mudou tanto, até que ela percebe que é tudo graças ao seu empresário Svengallop, que usa do sucesso dela pra conseguir tudo o que quer. Applejack resolve mostrar isso a Coloratura, que fica revoltada com Svengallop, principalmente porque ele não apoia o gosto de Coloratura por ajudar outros pôneis como pode. Ela então canta essa canção após Applejack relembrá-la que o que importa mesmo é o que ela tem dentro de si. Pesquisando sobre essa canção descobri que ela é uma homenagem às canções acústicas de Lady Gaga (e isso fica claro no episódio, que é incrível!).

Vídeo de The Magic Inside

A True True Friend
Twilight Sparkle é incumbida pela princesa Celéstia de tentar completar uma magia de Star Swirl, o Barbudo. Twilight diz o que já se encontra na página do livro e vai dormir. Quando acorda todas as suas amigas estão com suas cutie marks trocadas (demonstada em outra música divertidíssima: What My Cutie Mark is Telling Me). Twilight tenta então entender o que aconteceu, e nem mesmo Zecora consegue auxiliá-la com uma poção pra reverter o ocorrido. Num estalo repentino ela então percebe como resolver a situação: levar cada pônei a relembrar seus verdadeiros “eus”. Assim uma a uma elas vão recuperando suas próprias cutie marks, enquanto vão cantando sobre a importância da verdadeira amizade e estar sempre lá para ajudar suas amigas.

Vídeo de A True True Friend

Hearts Strong as Horses
Os Jogos de Equestria estão chegando, e em cada cidade haverá uma competição para decidir sobre quem carregará a bandeira dela na abertura dos Jogos. As Cutie Mark Crusaders decidem que vão tentar uma apresentação incrível, mas Diamond Tiara e Silver Spoon vão tentar dar um jeito de sabotar as Crusaders para conseguirem a vaga. Na canção as Crusaders cantam sobre como juntas elas são “fortes como cavalos” e tem uma determinação inabalável para conseguir essa oportunidade e, quem sabe, também obter suas cuite marks no processo.

Vídeo de Hearts Strong as Horses

You’ll Play Your Part
Twilight Sparkle se tornou a Princesa da Amizade. Porém ela não anda muito feliz porque ela se sente como apenas uma “peça decorativa”, que não ajuda em nada como gostaria. Nesse momento ela desabafa com as princesas Celestia, Luna e Cadence sobre isso, chegando então a essa música, onde as três princesas mostram a Twilight que no momento certo ela também terá sua parte importante como princesa.

Vídeo de You’ll Play Your Part

Glass of Water
Essa entra aqui por um motivo meio besta: ela é uma das canções do Discórdia! A Princesa Cadence finalmente conseguiu um tempo para visitar Twilight em Ponyville, e Twilight faz de tudo para preparar uma recepção e um roteiro incrível para passar esse tempo junto com Cadence. Mas a equação acaba ruindo quando Discórdia aparece, dizendo estar doente e pede que Twilight cuide dele, já que Fluttershy está viajando. Ele então acaba com o passeio de Twilight e Cadence, cantando essa canção fazendo diversos pedidos em sua convelescença, porém daquele jeito que só o Discórdia consegue fazer!

Vídeo de Glass of Water

The Goof Off
É aniversário de Rainbow Dash, e Pinkie Pie está preparando uma mega festa para ela em Ponyville! O que ela não esperava era o aparecimento de Cheese sandwich, autoproclamado o maior pônei de festas de Equestria! Quando Pinkie é deixada de lado após a chegada de Cheese ela vai até sua casa se lamentar (Pinkie’s Lament, outra ótima canção) e então decide lutar com todas as forças contra Cheese para decidirem quem é o maior pônei de festas: um duelo de bobeiras! Aqui temos um charme a mais: Cheese Sandwich é dublado pelo sensacional “Weird Al” Yankovic!

Vídeo de The Goof Off

May the Best Pet Win
As amigas resolvem passear no parque com seus animais de estimação: Pinky com Gummy, Apllejack com Winona, Rarity com Opalescence, Twilight com Owlowiscious e Fluttershy com Angel. Porém Rainbow Dash não tem nenhum animal pra participar do passeio. Fluttershy então diz a Rainbow que ela tem diversos animais, e que talvez algum deles possa ser perfeito para ela. Rainbow adora a ideia e vai dar uma olhada. A música então trata de Flutteshy dando a Rainbow as mais diversas opções de animais!

Vídeo de May the Best Pet Win

Winter Wrap Up
O inverno acabou, e em Ponyville todos os pôneis ajudam a trazer a primavera, divididas em equipes: uma equipe para retirar a neve e limpar os céus, uma para acordar os animais e preparar os ninhos e afins e uma equipe de plantas para preparar as árvores e plantações para a primavera. A música explica como cada uma das equipes trabalha, enquanto Twilight vai entendendo como as coisas funcionam, pois ela quer ajudar sem utilizar sua magia, pois Ponyville foi fundada por pôneis terrestres sem a ajuda de qualquer magia.

Vídeo de Winter Wrap Up

The Perfect Stallion
Chegou o dia do coração (equivalente ao valentine’s day), e o clima de amor está no ar! As Cutie Mark Crusaders estão preparando um cartão especial para sua professora, Cheerilee. Apple Bloom diz a senhorita Cheerilee o quanto elas sentem um carinho pela professora, e dizem que esse cartão não deve se igualar ao que ela recebeu de seu alguém especial, no que Cheerilee diz que não tem ninguém assim. As Crusaders ficam abismadas e resolvem elas mesmas encontrar alguém para a professora. Na canção elas rodam Ponyville e não conseguem encontrar ninguém, até que um cavalo diz não ter nada especial para aquele dia, e as Crusaders então dizem ter encontrado o garanhão perfeito para a senhorita Cheerilee!

Vídeo de The Perfect Stallion

At the Gala
Uma noite especial chegou em Canterlot! É o Grande Baile Galopante, que ocorre uma vez por ano no castelo, e as Mane Six estão se preparando para ir ao baile! Na música as pôneis deixam claro suas intenções no Grande Baile, cada qual um desejo especial: Fluttershy quer encontrar os animaizinhos do castelo, Applejack vender os produtos da Família Apple, Rarity encontrar seu príncipe encantado, Pinkie Pie fazer de tudo uma grande festa e Twilight Sparkle passar uma noite incrível com a princesa Celéstia.

Vídeo de At the Gala





Breves Comentários sobre a Discografia do Helloween

31 07 2015

Indo no embalo do amigo Thárik pretendo falar aqui minhas impressões sobre a discografia do Helloween, que conheci lá em 2000, e até hoje é uma das minhas bandas de cabeceira juntamente com Metallica, Pink Floyd, Scorpions e Sonata Arctica.

O Helloween foi formado pelo quarteto Kai Hansen (vocais/guitarra), Michael Weikath (guitarra), Markus Grosskopf (baixo) e Ingo Schwichtenberg (bateria). Agora vou trazer os discos que vieram.

1985 Helloween

Abrindo com o EP Helloween, lançado em 1985. Já se tinha uma noção do que a banda viria a nos trazer na sequência, ainda naquele ano. Speed metal puro e um trabalho vigoroso da galera. Destaco aqui uma já clássica Starlight.

Nota do Uiu: 7/10

1985 Walls of Jericho

Como citado anteriormente temos aqui um belo disco, Walls of Jericho. Hansen continua magnífico nos vocais e as músicas presentes no EP anterior ganharam uma repaginada, que as deixaram ainda melhor! Principais destaques aqui são ainda Starlight, How Many Tears, Guardians e Ride the Sky.

Nota do Uiu: 8,5/10

1987 Keeper of the Seven Keys I

Em 1987 a banda, então, resolve migrar para uma sonoridade um pouco diferente. Estavam aí criados o power metal e o metal melódico. Hansen deixa os vocais e dá lugar ao novato Michael Kiske, que dá um gás novo a banda. O disco, Keeper of the Seven Keys pt. 1 é um clássico do gênero. Muitos o consideram superior ao seu predecessor, fato que eu preciso discordar. Mas ainda assim é um disco maravilhoso. Destaques aqui ficam por conta de I’m Alive, A Tale That Wasn’t Right e Halloween.

Nota do Uiu: 9,5/10

1988 Keeper of the Seven Keys II

No ano seguinte, 1988, viria a sequência Keeper of the Seven Keys pt. 2. Mantendo o nível do antecessor (e indo além em algumas músicas) a banda continuava sua cavalgada rumo ao infinito com essa pérola, com hits grudentos e um magnífico épico! Vários destaques aqui: Eagle Fly Free, Dr. Stein, We Got the Right, I Want Out e Keeper of the Seven Keys.

Nota do Uiu: 9,5/10

1991 Pink Bubbles go Ape

Em 1991 o Helloween tem sua primeira queda de rendimento. Pink Bubbles Go Ape começa a dar ares de perder o peso que a banda vinha demonstrando. Parte disso se deu a saída de Kai Hansen, apesar de a entrada de Roland Grapow ter mantido a qualidade no que se trata de guitarrista. Outra parte dessa queda se dá pela influência de Michael Kiske, que parecia estar flertando com um rock mais carismático e menos pesado. Ainda assim, considero esse disco o mais injustiçado da banda. Destaques para Kids of the Century, Goin’ Home, Mankind e Your Turn.

Nota do Uiu: 7,5/10

1993 Chameleon

Em 1993 vemos que Kiske já estava MESMO de saco cheio do metal. Chameleon chega a flertar com o pop em alguns momentos, mas mesmo assim ele ainda carrega músicas que considero indispensáveis na discografia da banda. Esse disco também é o fim da linha para Michael Kiske na banda. Os destaques ficam com I Don’t Wanna Cry no More, When the Sinner, Windmill e I Believe.

Nota do Uiu: 6/10

1994 Master of the Rings

Após a saída de Kiske e o suicídio de Ingo a banda contrata o vocalista Andi Deris, vindo da banda de hard rock Pink Cream 69, e o baterista Uli Kusch, pregresso do Gamma Ray, banda criada por Kai Hansen após a saída do Helloween. Então, em 1994, lançam Master of the Rings. E foi um belo começo para a nova formação! Com uma pitada de hard rock ao pesado power metal que era marca da banda esse disco foi um sucesso absoluto, angariando novos fãs a banda, que já dava sinais de desgaste devido aos dois últimos trabalhos com Kiske. Destaques aqui para Sole Survivor, Where the Rain Grows, Why?, Perfect Gentleman e a balada In the Middle of a Heartbeat.

Nota do Uiu: 8,5/10

1996 The Time of the Oath

Em 1996 o Helloween continuava numa crescente, e lançou o belo The Time of the Oath, que mostrava um pouco mais de hard rock do que seu antecessor. Deris continua afiadíssimo e o álbum vem com uma temática das profecias de Nostradamus. Principais destaques aqui ficam por conta de Steel Tormentor, Power, Forever and One (Neverland) e The Time of the Oath.

Nota do Uiu: 8,5/10

1997 Better Than Raw

Mantendo uma mesma formação por três álbuns pela primeira vez, em 1998 sai Better Than Raw, que eu considero melhor que os discos anteriores (aqui muito fã me crucificaria). É um disco mais pesado e com mais uma bela balada de Deris, que prova ser um letrista magistral. Destaques para Push, Hey Lord!, Revelations, Time, I Can e Lavdate Dominum.

Nota do Uiu: 9/10

1999 Metal Jukebox

1999 foi o ano que o Helloween resolveu lançar um disco só de covers: Metal Jukebox. Trazendo coisas que vão do hard rock ao pop, esse disco é um deleite dos mais divertidos, além de trazer ótimas versões da banda para grandes músicas. Destaques para He’s a Woman, She’s a Man (Scorpions), Locomotive Breathe (Jethro Tull), Lay All Your Love on Me (ABBA), Space Oddity (David Bowie), From Out of Nowhere (Faith no More), All My Loving (Beatles) e Hocus Pocus (Focus).

Nota do Uiu: 8/10

2000 The Dark Ride

Entrando no século XXI a banda começava a dar sinais de problemas internos. Isso ficou claro no tom sombrio de The Dark Ride, lançado em 2000. Mesmo assim, o que a banda entrega é o melhor disco da carreira da banda. Com um instrumental pesado e Deris rasgando seus vocais esse disco é, de ponta a ponta, perfeito. Destaque para todas as faixas: Mr. Torture, All Over the Nations, Escalation 666, Mirror Mirror, If I Could Fly, Salvation, The Departed (Sun is Going Down), I Live for Your Pain, We Damn the Night, Immortal (Stars) e a épica The Dark Ride. Incluo aqui também a bonus track Madness of the Crowds.

Nota do Uiu: 10/10

2003 Rabbit Don't Come Easy

Após The Dark Ride Roland Grapow e Uli Kusch deixam a banda. Entrou o guitarrista Sascha Gerstner, enquanto Mikkey Dee (do Motörhead) e Mark Cross gravaram as baterias do novo disco, lançado em 2003: Rabbit Don’t Come Easy. Cross, na verdade, gravaria toda a bateria, porém adoeceu e foi substituído por Mikkey Dee. Durante a turnê, em contra partida, as baquetas ficaram por conta de Stefan Schwarzmann, oriundo do Accept, mas que não deu conta do recado. A saída de Grapow e Kusch deu uma diferença sensível à qualidade do disco, porém não foram decisivas. Gerstner se provou um ótimo guitarrista, enquanto Dee é um baterista experiente e excelente. Mas essa foi, até então, a primeira queda de qualidade da fase Deris com relação às músicas. Destaques para Just a Little Sign, Open Your Life, The Tune e Don’t Stop Being Crazy.

Nota do Uiu: 6,5/10

2005 Keeper of the Seven Keys Legacy

Para o disco seguinte a banda convocou um novo baterista: Dani Löble. E então em 2005 gravaram o ótimo Keeper of the Seven Keys: The Legacy, uma “sequência” dos clássicos Keeper of the Seven Keys pt.I e II. A entrada de Löble deu um novo gás a banda, e a sonoridade voltou a ficar mais coesa e pesada. Deris também estava num momento inspirado com belos vocais. Conta com a participação especial de Candice Night (vocalista do Blackmore’s Night e esposa da lenda Ritchie Blackmore). Destaques aqui por conta de The King for a 1000 Years, Born on Judgment Day, Mrs. God, Light the Universe e My Life for One More Day.

Nota do Uiu: 8/10

2007 Gambling With the Devil

Em 2007 é lançado Gambling with the Devil, que mantém uma sonoridade semelhante à Rabbit Don’t Come Easy, mas com a banda mais afinada e parecendo ter encontrado seu tom, afinal. Só que mais uma vez algo pareceu faltar nesse disco, apesar de ainda ser um bom disco. Destaques para Kill It, Final Fortune, The Bells of the Seven Hells e Fallen to Pieces.

Nota do Uiu: 7/10

2009 Unarmed

Em 2009 a banda resolve lançar uma nova coletânea. Mas ela veio numa forma diferente: comemorando os 25 anos de banda Unarmed conta com releituras de clássicos desde a fase Kiske até o mais recente Keeper of the Seven Keys. É um disco divertido com algumas boas releituras, mas creio que não era necessário tal lançamento. Destaco a divertida releitura de Dr. Stein na voz de Deris.

Nota do Uiu: 6/10

2010 7 Sinners

E a banda aqui iguala a sequência de quatro discos consecutivos com a mesma formação, como aconteceu no início da fase Deris. 7 Sinners é lançado em 2010, e traz a banda de volta com ainda mais peso e técnica do que nos últimos discos, mas algo nele parece não pegar. Tem muita música boa, mas quase nenhuma chega a ser algo que chame plena atenção. Destaques aqui são Where the Sinners Go, Are You Metal?, Who is Mr. Madman?, The Smile of the Sun e Raise the Noise, além da bonus track I’m Free.

Nota do Uiu: 7/10

2013 Straight Out of Hell

E pela primeira vez o Helloween consegue manter uma mesma formação por cinco álbuns consecutivos! 2013 é lançado Straight Out of Hell chega com a banda mantendo a mesma fórmula que os anteriores, mas com músicas mais divertidas e com uma bela balada, marca registrada de Andi Deris mas que, nesse disco, ficou a cargo de Sascha Gerstner. Os destaques aqui ficam com Nabatea, Burning Sun, Waiting for the Thunder, Hold Me in Your Arms e Church Breaks Down.

Nota do Uiu: 7/10

2015 My God-Given Right

Finalmente chegamos a 2015 e ao mais novo lançamento da banda. My God-Given Right é, de fato, o disco mais fraco de toda a fase Deris. Na primeira audição eu gostei do disco, mas na seguinte parece que algo estava fora do lugar na maioria das músicas. Talvez falte à banda tentar sair da mesma fórmula e arriscar um pouco mais, ou se aproximar da sonoridade do início da era Deris. Destaques com Battle’s WonMy God-Given Right e The Swing of a Fallen World.

Nota do Uiu: 6/10

Listen to: Mr. TortureHelloween





Sobre ingressos e afins

29 05 2015

A crise econômica parece estar, finalmente, afetando fortemente os shows aqui no Brasil.

Queria dizer que esse é o único motivo que leva os valores dos shows do Muse e do Pearl Jam aqui no país a terem preços inaceitáveis.

O Pearl Jam fará shows em cinco cidades.  Vejamos uma tabelinha de valores (inteiras):

– Porto Alegre: R$ 160 a R$ 460;

– São Paulo: R$ 200 a R$ 680;

– Brasília: R$ 250 a R$ 650;

– Belo Horizonte: R$ 200 a R$ 600;

– Rio de Janeiro: R$ 240 a R$ 680.

E os valores do Muse, com shows em apenas duas cidades:

– São Paulo: R$ 220 a R$ 650;

– Rio de Janeiro: R$ 250 a R$ 700.

Inclua nesses dois shows do Muse uma nova modalidade, um tal de “early enter”, que permite quem compra esse serviço entrar uma hora mais cedo. Valor: R$ 300.

Não vi alguma manifestação do fã clube do Pearl Jam, mas o Muse BR (maior fã clube do Muse no Brasil) se manifestou com uma nota no seu site. Caso se interesse, leia em http://www.musebr.com/05/2015/nota-da-equipe-sobre-os-valores-dos-ingressos/ para entender melhor.

O caso é que o Régis Tadeu foi com os dois pés no peito do fã clube (e dos fãs), dizendo que é uma reclamação infantil. Citando o próprio Régis: “Depois que terminei de gargalhar ao ler este “mimimi” típico de quem foi criado à base de iogurte de kiwi, torradas com geleia de morango e sabonete da Barbie, resolvi ampliar o espectro e meu pensamento e encontrei mais um exemplo de como as novas gerações de fãs são o retrato fiel do processo de emburrecimento coletivo que assola o Brasil.” Claro, sou amigo pessoal de uma das “cabeças” do fã clube, mas não é por isso que vou sair em defesa dos fãs. O mesmo Régis usa de um artifício muito usado por aí: “TÁ CARO? ENTÃO NÃO VÁ AO SHOW, PORRA!”. Legal, mas isso é um artifício pobre. Poxa, um fã não reclamaria de pagar caro, contanto que não fosse um valor que BEIRA O SALÁRIO MÍNIMO (essa é uma das principais reclamações do fã clube na nota, inclusive). O texto do Tadeu, de um modo geral, destila raiva (ódio é uma palavra forte). Ele chegou a discutir no twitter sobre isso, dizendo que não há ódio nenhum e mandando as pessoas estudarem. Cara, leia com atenção o texto do Régis que você vê que foi um ataque barato SIM.

Indo na contramão de Régis Tadeu o Luís Cesar Pimentel escreveu no R7 um texto em apoio às reivindicações do fã clube (http://entretenimento.r7.com/blogs/luiz-pimentel/2015/05/28/o-pessoal-do-musebr-ta-certissimo-em-reclamar/). Um texto mais sóbrio e com explicações mais sensatas, como no trecho em que ele fala sobre os valores de cachê da banda em comparações a outras big bands mundiais. A conta, definitivamente, não bate. E esse texto não é em nenhum momento cheio de raiva.

O fato é que a crise atual ajuda, sim, esses valores exorbitantes. Mas não justifica. Nem perto disso. Se as produtoras quisessem poderiam abaixar esses valores. Não faria nenhum mal a elas. Mas, como o próprio fã clube diz, eles querem arrecadar mais em cima dos fãs. Uma das piores invenções em shows se chama PISTA PREMIUM (ou Pista VIP, sei lá). No primeiro show grande que fui elas já existiam. Em 2002 fui ao Rush, no Morumbi. Paguei R$ 80 num ingresso inteiro para pista normal. Nem me lembro quanto era a Pista VIP. Só lembro que, no meio do show, a galera próxima a divisão das pistas ligou o foda-se e INVADIU a VIP, sem dó nem piedade! E eu achei aquilo o máximo! Mas fiquei no meu cantinho, satisfeito com o ponto onde estava. De lá pra cá isso piorou, com os valores disparando com o passar dos anos. Insisto: parte disso é, sim, a crise. Mas a maior parte é o desejo das produtoras de ARRECADAR. Sou capitalista e compreendo que isso não é totalmente errado. Mas poxa… não precisa enfiar uma bastarda no peito dos fãs e arrancar o couro!!

Todo meu apoio ao fã clube e aos fãs!!!

11294594_864049880340399_1326910423_o

#NÃOSOMOSANIMAIS





Um passeio no reino dos duendes *ou Labirinto: A Magia do Tempo*

26 10 2010

Diversos filmes na década de 80 marcaram a infância e juventude de muita gente: Goonies, Curtindo a Vida Adoidado, Robocop, Máquina Mortífera. E outros ainda maracaram uma gama especial, como Touro Indomável, Blade Runner, Scarface e Platoon.

Mas um filme em especial foi marcante pra mim nessa década tão incrível: Labirinto – A Magia do Tempo, do diretor Jim Henson.

Esse homem, aliás, tem algo de marcante em sua carreira: é o criador das séries Vila Sésamo e Muppets, shows com bonecos manipulados.

Mas vamos nos focar nessa obra-prima de Henson.

Ele se juntou a LucasFilm para criar uma história fantástica sobre Sarah (Jennifer Connelly), uma garota que se interessa muito por teatro e livros que tratam de fantasia. Um livro que ela gosta muito chama-se “Labyrinth”, que trata da história de uma garota que ganha poderes do rei dos duendes. Naquela noite, ela é obrigada por seu pai e sua madrasta a cuidar de seu irmão Toby. Após brigar com a madrasta, ela chora em seu quarto. Depois, vai contar uma história a seu irmão, para ele dormir. Depois da história terminar, enquanto Toby ainda chorava, ela sai do quarto, apaga a luz e diz “Desejo que o rei dos duendes venha e o leve embora!”. Repentinamente, o choro dele cessa. Ela, preocupada, entra no quarto. E nota que o garotinho sumiu.

Uma coruja entra pela janela do quarto e para perto de Sarah. Eis que surge Jareth, o rei dos duendes (vivido pelo cantor inglês David Bowie). Ele então explica que realizou o desejo de Sarah e levou o garoto para seu castelo, no reino dos Duendes. Sarah mostra-se arrependida, e pede que Jareth o devolva. Ele nega, mas dá a Sarah uma chance: ela tem 13 horas para atravessar o labirinto até o castelo de Jareth. Se ela conseguir, recupera seu irmão. Caso contrário, ele transformará Toby num duende para sempre.

Uma fantasia tanto para crianças quanto para adultos.

Bela fotografia, personagens muito interessantes, principalmente no mundo dos duendes, que todos são bonecos criados por Henson. E o ponto forte da película: sua trilha sonora, feita por David Bowie e Trevor Jones. Músicas incríveis e algumas até dançantes, como a divertida “Magic Dance”, de Bowie. Isso tudo faz do filme um filme a ser visto por todos aqueles que se interessam realmente por filmes e, principalmente, pelos fãs de David Bowie.

Vamos à cena marcante do filme!

Esse filme torna tudo mais fácil. A melhor cena do filme é o baile de máscaras, em que Jareth tenta seduzir Sarah, a fim de atrasá-la o suficiente para ela não conseguir chegar a tempo.

A cena se inicia quando o duende Hoggle entrega uma maçã “envenenada”a Sarah. Ela começa a ficar tonta. Corte para Jareth numa janela de seu castelo. Ele brinca com bolas de cristal e, uma a uma, sopra-as em direção ao vento. Elas viram bolas de sabão e vão em direção à Sarah. Dentro das bolhas, ela vê a si mesma com um belo vestido, como se fosse uma princesa. Corte para Ludo, Didymus e Ambrosius. Didymus diz a Sarah que estão próximos ao castelo, mas aí nota que ela ão está mais com eles. Uma bolha se aproxima de onde eles estão e, dentro dela, vê-se um baile de mascaras. Pessoas dançando. A cena vai para um salão de festas, onde o baile ocorre. Sarah anda pelo salão. Aí, inicia-se a canção “As the World Falls Down”, e Sarah encontra Jareth frente à frente. Jareth se afasta e, enquanto ele dança com outra pessoa, Sarah vai andando pelo salão, à procura dele. Ele vai brincando com ela, desaparecendo enquanto ela o procura. Quando ela finalmente o encontra, eles começam a dançar. Eles então são cercados por diversas pessoas mascaradas. Sarah, ao ver aquilo, começa a ficar incomodada. Então, ela vê um relógio. Ele marcava 12 horas. Uma hora para o fim do tempo que Jareth a deu. Ela resolve fugir dali. Corre até dar de frente com um espelho. Ela então pega uma cadeira e o quebra. A magia, então, é desfeita.

Enfim, Labirinto – A Magia do Tempo é um daqueles filmes para se ver e rever sempre que puder. Seja porque é uma bela história, seja porque é divertido, seja pelo David Bowie.

Amanhã, mais um filme!





Novo post *ou uma atualização contra a morte do blog*

26 07 2010

Eu fico eras sem postar por aqui, não é mesmo? O jeito é fazer um daqueles posts do qual o V deu idéia, com um apanhado geral do que tá rolando por aí!

"Agora eu tenho uma vuvuzela!"

Novidades

Vamos por partes, como diria o Jack… sim, aquele mesmo, que picava pessoas no final do século XIX.

Música

Uma quantidade homérica de shows tem se confirmado ou sendo cogitada pros próximos meses. Vamos listar alguns por  aqui.

Scorpions

Scorpions

Em sua última turnê mundial, eles farão diversos shows por aqui.
• 11/09 – João Pessoa/PB
• 18/09 – São Paulo/SP
• 19/09 – São Paulo/SP
• 21/09 – Curitiba/PR
• 22/09 – Brasília/DF
• 24/09 – São Luis/MA

Bon Jovi

Bon Jovi

Após X anos sem aparecerem por aqui, os norte-americanos do Bon Jovi farao um show no Morumbi!
• 06/10 – São Paulo/SP

Rush

Rush

Após sua última passagem na “Vapor Trails tour” em 2002, essa incrível banda volta ao Brasil para shows em São Paulo e Rio de Janeiro.
• 08/10 – São Paulo/SP
• 10/10 – Rio de Janeiro/RJ

Sonata Arcitca

Os incríveis finlandeses estão de volta, após o excelente show de 2008, em sua nova turnê!
• 30/10 – São Paulo/SP

Ainda tem mais shows, mas isso você pode ver em .

Filmes

Uma incrível lista de filmes que vem por aí ainda em 2010. Vamos aos trailers!

Predadores (Predators)

Esse filme esreou no último dia 22. Trata-se de uma nova história com esses incríveis personagens. Um bando de pessoas é jogado num planeta. Cada um precisa sobreviver em meio aos perigos que os espreitam… perigos invisíveis, inclusive.

A Origem (Inception)

No dia 06 de agosto estréia esse filme conceitual, de Christopher Nolan, o incrível diretor de filmes como Amnésia, O Grande Truque e Batman: O Cavaleiro das Trevas. Vejam o trailer, não consigo traduzir isso em palavras

Os Mercenários (The Expendables)

Sylvester Stallone. Jet Li. Jason Statham. Bruce Willis. Arnold Schwarzenneger. 13 de agosto. Precisa dizer mais alguma coisa?

A Lenda dos Guardiões (Legend of the Guardians)

Uma animação do “visionário diretor de 300”, Zack Snyder. Uma coruja, chamada Soren, vivia contando para outras corujas menores sobre as lendas dos guardiões de Ga’Hoole, que lutavam contra o malvado Puros. Um dia, essa lenda torna-se realidade, e Puros ataca para tentar dominar mais uma vez, e então Soren precisa, com a ajuda de seus amigos, encontrar esses guardiões, para que possam derrotar Puros e seu exército! Visual maravilhoso, dos produtores de Happy Feet! Estréia no dia 08 de outubro.

Machete (Machete)

Um trailer falso num filme. Sucesso e aclamação. Uma realidade. Isso é Machete. Estréia no dia 15 de outubro. Vejam com seus próprios olhos e entendam o que é Machete!

Scott Pilgrim Contra o Mundo (Scott Pilgrim vs The World)

Scott Pilgrim era uma rapaz que nunca mantinha um relacionamento firme com ninguém, até o dia que ele conhece Ramona Flowers. Automaticamente ele se apaixona por ela, e eles começam a sair. Mas o que ele não sabia era que o problema era maior: ele agora precisa vencer os 7-ex namorados malvados de Ramona se quiser ficar mesmo com sua amada. Do sensacional diretor Edgar Wright, dos incríveis Chumbo Grosso e Todo Mundo Quase Morto! Estréia prevista para o dia 26 de novembro aqui no Brasil!

Mais informaões sobre estréias, visite:

Livros

Não ando lendo muito atualmente, então venho aqui indicar duas séries de livros que considero interessantíssimas!

Artemis Fowl

Primeiro, do Eoin Colfer, um autor bem legal, venho falar da série “Artemis Fowl”.
Artemis Fowl é um garoto de 12 anos de idade, mas com uma inteligência descomunal para alguém de sua idade. Ele vem de uma família de ladrões, logo, usa sua inteligência para o crime, mas com o intuito de resgatar a fortuna da família Fowl, que deu uma caída desde o desaparecimento de seu pai.
Divertido, intrigante e sempre surpreendente, essa série vale a pena por suas histórias incrivelmente ágeis e um pouco fantasiosas, com a entrada do pessoal do mundo das fadas. Mas não pense em fadas como nossa queria Sininho, do mundo de Peter Pan. Leia e entenda!

A Torre Negra

Stephen King é conhecido por seus livros de suspense e terror. Clássicos como “O Iluminado”, “O Cemitério”, “Carrie” e algo mais de drama como ” À Espera de um Milagre” sempre são lembrados por sua qualidade inegável. Mas esse épico incrível, com temática baseada em J.R.R. Tolkien, num conto chamado “Childe Roland à Torre Negra Chegou”, lendas Arturianas, velho oeste e cultura pop é uma história sensacional!
Roland Deschain é um pistoleiro. Na verdade, o último restante no seu mundo devastado. Ele está à caça do Homem de Preto pelo árido deserto. Apesar de diversas armadilhas e problemas, ele nunca desiste dessa caça por vingança. Mas isso é apenas o começo dos problemas do Pistoleiro Roland.
Considerado por King sua obra mais ambiciosa, “A Torre Negra” é dividido em 7 volumes. Recomendado!

Anime/Mangá

Sempre prezo por falar desses assuntos por aqui! E não seria diferente agora, certo?!

Vamos a alguns comentários.

A série FullMetal Alchemist finalmente chegou ao seu fim. Já falei desse mangá por aqui, mas dessa vez é oficial: o mangá e sua nova animação, mais fiel à história do mesmo, FullMetal Alchemist Brotherhood, chegaram ao seu fim em 2010. Fãs como eu ficarão órfãos de novas histórias, mas nunca esquecerão essa incrível história dos irmãos Elric em busca de seus corpos e de redenção!

Deixará saudades!

Um incrível anime estreou recentemente no Japão, e me deixou perplexo por sua qualidade, tanto na animação como na história, que também passei a acompanhar pelo mangá. Seu nome: Highschool of the Dead.
Trata de um grupo de pessoas que foge de uma escola, que após um ataque de um único zumbi, é infestada por mortos-vivos. Logo, descobrimos que não é apenas o colégio que tem esse problema. Mais que recomendado!

Zumbis... eles estão à solta!

Bom, acho que é só… até a próxima!

Listening to: Sakura Saku (Love Hina) – Megumi Hayashibara





Uma Nova Visão, ou O Dia em que o Blog foi Reformulado

28 09 2009

Conversando com o V no fim de semana, resolvi dar uma reformulada na idéia do blog.

Ao invés de apenas postar coisas específicas, vou passar a falar sobre várias coisas que estão acontecendo no mundo do entretenimento *música bombando, mangás e animes da hora, livros bacanas, etc*. Foi uma idéia bacanuda!

Siga por esse caminho, será grandioso!

"Siga por esse caminho, será grandioso!"

Então, a partir de hoje, os posts terão tópicos para cada asusnto! =D

Música

Rapaz… o mundo da música é curioso. Eu falei já aqui sobre covers e sobre o Metallica.

Vou passar a citar notícias e dicas!

Notícias

Segundo entrevista do guitarrista Joe Perry, o Aerosmith está dando um tempo. “Depois de cancelar essa última turnê, nós precisamos recuar, tomar folêgo e deixar que todos voltassem a colocar os pés no chão. Vamos entrar em hiato como a maioria das bandas fazem, não somos mais garotos, não precisamos ficar caçando trabalho todo dia, mas ficamos presos nisso de adiar shows e precisar remarcá-los.” Bandas como Red Hot Chili Peppers e Blink 182 já fizeram isso. Mas o Chili Peppers está de volta, ao contrário do Blink. Qual será o caminho do Aerosmith?

Vou virar Senador!

"Vou virar Senador!"

Ontem, dia 27 de setembro, fez-se 23 anos da morte do lendário baixista do Metallica, Cliff Burton, na Suécia, durante a tour do álbum Master of Puppets. O ônibus no qual a banda estava capotou, e Cliff foi arremnessado para fora do veículo. Ele tinha 24 anos, e deixou muitas saudades aos fãs da banda.

Deixou saudades imensas...

Deixou saudades imensas...

A banda norte-americana Bride confirmou uma apresentação aqui em São Paulo, para o dia 28 de novembro. Local e preços ainda não foram divulgados.

Tamo chegand, galera!

"Tamo chegando, galera!"

Recomendações

Ando escutando muito j-pop, mas ainda assim tenho tempo pra escutar algumas novidades do mundo do metal!

O novo álnbum dos finlandeses d0 Sonata Arctica, “The Days of Grays”, está em vias de ser lançado, mas como sempre, vazou nas interwebs. Achei um CD bacana, mas ainda aquém do que a banda fez em álbuns como “Ecliptica” e “Winterheart’s Guild”.

Capa bonita!

Capa bonita!

Andre Matos, ex-Viper, Angra e Shaman, e agora em carreira solo, lançou seu novo disco, “Mentalize”. Gostei bastante desse, apesar de preferir sua primeira incursão solo, com o CD “Time to be Free”.

Capa... curiosa!

Capa... curiosa!

Cinema

No mundo do cinema, eu citei aqui um preview de 2009 e um post sobre o filme “The Dark Knight”. Agora, vamos a notícias, próximos lançamentos e dicas de filmes!

Notícias

O mexicano Danny Trejo, muito conhecido por papéis coadjuvantes em filmes do diretor Robert Rodriguez como “A Balada do Pisoleiro” e da trilogia “Pequenos Espiões”, está confirmado no remake do clássico dos anos 80 “Predador”. Ainda não foi informado o papel, mas eu aposto que, relembrando do primeiro filme com o austríaco, e hoje “Governator” Arnold Schwarzenegger, ele pode fazer o papel principal, ou de um dos soldados que fazem parte do pelotão.

Vai encarar, cabrón?

"Vai encarar, cabrón?"

Fãs de Popeye, tremei! Uam animação em CG foi anunciada. A Marvel (sim, Marvel!) comprou os direitos da obra, e pretende levá-la ao cinema em uma animação, também em 3D. Não sei o que esperar dessa… mas me lembro do filme de Robert Altman de 1980, com Robin Williams no papel de Popeye… e não me agrada muito isso…

Eu sou o marinheiro Popeye!

"Eu sou o marinheiro Popeye!"

E agora voltando ao mundo do Morcegoman… a sul-africana Charlize Theron é a bola da vez nos boatos sobre o filme. Ela disse que gostaria, sim, de viver a Mulher-Gato na 3ª incursão de Christopher Nolan no mundo de Batman. Mas os boatos não sigificam muito no momento. O filme ainda não tem nem uma data exata para início das produções, e muito menos um roteiro com quem seria (ou seriam) o vilão (ou vilões).

E aí... ela merece?

E aí... ela merece?

“The Book of Eli”, filme pós-apocalíptico com Denzel Washington, Gary Oldman e Mila Kunis, ganhou um novo trailer. E dessa vez, é animador! Ele mostra um pouco mais dos personagens e do que poderá se tratar a trama do filme.

Próximas atrações

No próximo fim de semana, três filmes chamam a atenção para si. “Gamer”, dos criadores do ótimo “Adrenalina”. Num futuro próximo um revolucionário videogame on-line será a mais popular forma de diversão. Semanalmente, milhões de internautas assistem condenados lutando para sobreviver como se fossem personagens virtuais em um videogame. Kable (Gerard Butler, de “300”), um prisioneiro, se tornará a grande estrela deste jogo. Para o jogador, Kable é um mero personagem, mas para o grupo de resistência ele é a peça chave para a vitória. No meio dessa batalha, e sob o comando de um adolescente, Kable terá que usar todas suas habilidades extravirtuais para vencer o jogo e derrubar o sistema. (sinopse retirada do site Cinepop). O filme ainda conta com Michael C. Hall, da série Dexter.


“Tá Chovendo Hamburguer”, animação que está fazendo um tremendo sucesso na terra do Tio Sam, é uma história na qual um cientista com ótimas intenções tenta acabar com a fome no mundo. Ao menos para a população da pequena cidade de Chewandswallow, tudo parece perfeito quando começa a chover sopa, nevar purê de batatas e vem uma tempestade de hambúrgueres. O cientista só não imaginava que isso iria causar um problema de proporções globais. (sinopse retirada do site Cinepop). Vozes de Anna Farris e Bruce Campbell, o eterno Ash da cinesérie “Uma Noite Alucinante”.


“Deixa Ela Entrar”, filme suéco já citado aqui, que foi exibido no festival SP Terror. Oskar é um garoto comum, que vive sendo atormentado na escola por outros garotos, e não tem amigos. Até conhecer Eli, uma garota que mora no apartamento ao lado do seu. Só que ela não é bem uma garota comum…

Recomendações

O ótimo drama “Antes de Partir”, com Morgan Freeman e Jack Nicholson, em que dois velhos são diagnosticados com uma doença que os deixam com apenas poucos meses de vida, e então eles resolvem fazer uma lista de coisas a fazer antes de deixarem esse mundo. Um filme emocionante, com um final tocante.

Essa eu vou colocar no orkut...

"Essa eu vou colocar no orkut..."

O filme de quase terrir “Dead Snow”, vindo da Suécia, em que jovens vão acampar em casa nas montanhas geladas, e dão de cara com uma tropa de zumbis… mas eles não são zumbis comuns: são uma tropa perdida da SS, a polícia especial de Hitler! Risadas garantidas em algumas cenas ótimas!

Heil mein Fürher!

"Heil mein Fürher!"

Anime/Mangá

Posts sobre Bleach e Azumanga Daioh já estiveram por aqui. Agora, passarei a falar sobre um anime e um mangá por semana!

Mangá

Um clássico, mas ainda assim, importante! Full Metal Alchemist, do mangaká Hiromu Arakawa. Conta a história dos irmãos Edward e Alphonse Elric. Quando pequenos, eles perderam sua mãe. Numa tentativa frustrada de trazer sua mão de volta usando alquimia, Edward perdeu um braço e uma perna, e Alphonse perdeu seu corpo. Agora, eles buscam a pedra filosofal, para tentar reaver o corpo perdido de Alphonse e os membros perdidos de Edward.

Um momento descontraído...

Um momento descontraído...

Anime

Bokusatsu Tenshi Dokuro-chan. Segundo a Wikipédia, Dokuro-chan conta a história de Sakura Kusakabe, um estudante do segundo grau que em algum momento do futuro virou pedófilo e ofendeu Deus ao criar a imortalidade. Além disso, as mulheres são afetadas de forma a não envelhecerem mais quando completam doze anos, e Sakura é acusado de criar um “Mundo Pedófilo”.

Por esse motivo, Deus envia seus anjos ao passado antes que Sakura faça isso. Dokuro Mitsukai, uma membra de uma ordem anjos assassínos, chamada Rurutie, é enviada para matá-lo. Ela também tem o poder de ressuscitar os mortos. Acreditando que Sakura pode ser redimido, Dokuro sempre traz Sakura de volta a vida após matá-lo de forma impulsiva. Para aumentar a comédia, Sabato, outra assassina da ordem Rurutie que usa seus atributos femininos para completar suas missões é enviada para completar a missão de Dokuro: o assassinato de Sakura.

Meu amigo da escola é um... MACACO??

"Meu amigo da escola é um... MACACO??"

Por hoje, fico por aqui…

Volto com o próximo post em breve! =D

Listen to: Ready to Fly – Richard Marx





Inspirações e homenagens (ou covers… oO)

22 08 2008

Meu caro amigo Léo me mandou um link agora a pouco, que me deixou maravilhado…

Whiplash, do Metallica, executada pelo Motörhead

Motörhead
The ace of spades!

E disse na seqüência: “posta isso no seu blog, man!”
Bom, ao invés de eu apenas postar o cover em si, vou falar um pouco sobre… covers!

O que é um cover?
Segundo a wikipédia: “Versão cover ou simplesmente cover, é uma regravação de uma canção previamente gravada. Muitos músicos tocam covers como forma de tributo a quem a gravou pela primeira vez. Outros formam as chamadas bandas covers, que além de tocarem as músicas, usam roupas e se apresentam da mesma forma que o original.”.

Bandas em começo de carreira ou de garagem, sempre que vão fazer shows ou ensaios costumam tocar músicas de bandas que gostam. Quando atingem um sucesso relativo, e gravam um CD, costumam colocar um cover perdido para incrementar. E se atinge um sucesso consideravelmente grande, se dão ao luxo de, se resolverem achar isso interessante, fazer um álbum inteiro de covers! Bandas como Metallica (Garage Inc.), Guns n’ Roses (The Spaghetti Incident?) e Duran Duran (Thank You) são exemplos de bandas que fizeram álbuns inteiros para homenagear sues heróis.

Duran Duran Thank You
Capa de Thank You, álbum da banda Duran Duran

Alguns Covers

Eu já ouvi diversos covers na minha vida. Vou citar alguns que achei realmente interessante (mas sem analisar… não tenho saco pra isso no momento xD)!

– Metallica fazendo Bob Seger (Turn the Page), no álbum “Garage Inc.”
Metallica Bob Seger

– Sonata Arctica fazendo Scorpions (Still Loving You) no álbum “Successor”
Sonata Arctica Scorpions

– Helloween fazendo Abba (Lay All Your Love On Me) no álbum “Metal Jukebox”
HelloweenABBA

– Alanis Morissette fazendo The Police (King of Pain) no álbum “MTV Unplugged”
Alanis Morissette The Police

Covers intragáveis

Alguns eu ouvi… outros, só ouvi dizer. Agora, imagine você ouvido coisas assim…

– Shakira fazendo AC/DC (Back in Black) no álbum “Live and Off the Record”
Shakira AC/DC

– Paulo Ricardo fazendo Queen (Love of my Life) e ainda alterando o nome da música (Felicidade!!) no álbum “O Amor me Escolheu”
Paulo Ricardo Queen

– Tori Amos fazendo Slayer (Raining Blood) no álbum “Strange Little Girls”
Tori Amos Slayer

Covers que gostaria de ouvir um dia

Eu realmente tenho curiosidade de ouvir certas bandas fazendo certos covers algum dia. Seria realmente divertido, por assim dizer!

– André Matos fazendo Helloween (Eagle Fly Free)
– Iced Earth fazendo Metallica (Fade to Black)
– Iron Maiden fazendo Black Sabbath (Neon Knights)
– Michael Kiske fazendo Queensrÿche (Queen of the Reich)

Basicamente, é isso que eu tenho pra falar sobre covers.
=)


Personagens de Azumanga Daioh fazendo um “cover” de Final Fantasy VII! xD

Ao som de:
Blue Dream (Saint Seiya) – Hironobu Kageyama