Os “vencedores” do Framboesa de Ouro!

23 02 2015

Eu simplesmente esqueci do Framboesa de Ouro no fim de semana.

Mas ok, agora que lembrei vou colocar aqui (de novo) a lista, e agora coloquei minha aposta, minha torcida e o vencedor de cada categoria!

Vamos lá!

Pior filme

Kirk Cameron’s Saving Christmas (vencedor)

O Apocalipse

The Legend of Hercules

As Tartarugas Ninja (torcida)

Transformers 4 (aposta)

Pior ator

Kirk Cameron (Kirk Cameron’s Saving Christmas) (torcida e vencedor)

Nicolas Cage (O Apocalipse)

Kellan Lutz (The Legend of Hercules)

Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

Adam Sandler (Juntos e Misturados) (aposta)

 

Pior atriz

Drew Barrymore (Juntos e Misturados) (aposta)

Cameron Diaz (Mulheres ao Ataque e Sex Tape – Perdido na Nuvem) (torcida e vencedora)

Melissa McCarthy (Tammy)

Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

Gaia Weiss (The Legend of Hercules)

 

Pior ator coadjuvante

Mel Gibson (Os Mercenários 3)

Kelsey Grammer (Os Mercenários 3, Legends of Oz, Think Like a Man Too, Transformers 4) (aposta e vencedor)

Shaquille O’Neal (Juntos e Misturados) (torcida)

Arnold Schwarzenegger (Os Mercenários 3)

Kiefer Sutherland (Pompeia)

Pior atriz coadjuvante

Cameron Diaz (Annie)

Megan Fox (As Tartarugas Ninja) (torcida, aposta e vencedora)

Nicola Peltz (Transformers 4)

Susan Sarandon (Tammy)

Brigitte Ridenour (Kirk Cameron’s Saving Christmas)

 

Pior diretor

Michael Bay (Transformers 4) (aposta e vencedor)

Darren Doane (Kirk Cameron’s Saving Christmas)

Renny Harlin (The Legend of Hercules)

Jonathan Liebesman (As Tartarugas Ninja) (torcida)

Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

 

Pior remake, imitação ou sequência

Annie (vencedor)

Atlas Shrugged: Who Is John Galt?

The Legend of Hercules

As Tartarugas Ninja (torcida)

Transformers 4 (aposta)

 

Pior parceria

Quaisquer dois robôs e atores (robóticos) (Transformers 4)

Kirk Cameron & Seu Ego (Kirk Cameron’s Saving Christmas) (aposta, torcida e vencedor)

Cameron Diaz & Jason Segel (Sex Tape – Perdido na Nuvem)

Kellan Lutz & Seu Abdôme, Seus Peitorais ou Seus Glúteos (The Legend of Hercules)

Seth MacFarlane & Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

 

Pior roteiro

Kirk Cameron’s Saving Christmas (torcida e vencedor)

O Apocalipse

Sex Tape – Perdido na Nuvem

As Tartarugas Ninja

Transformers 4 (aposta)

 

Troféu Redentor

Ben Affleck (Argo e Garota Exemplar) (aposta e vencedor)

Jennifer Aniston (Cake)

Mike Myers (Supermensch)

Keanu Reeves (De Volta ao Jogo) (torcida)

Kristen Stewart (Camp X-Ray)





Spoder Man tá na área

13 02 2015

Desde o dia do anúncio do acordo entre Sony e Marvel Studios com relação ao Homem Aranha eu fiquei com vontade de fazer um texto, falando desde o primeiro filme até o que pode vir por aí. Bom, vamos lá!

Homem Aranha (2002)

Olha quem chegou!

                                  Olha quem chegou!

Quando esse filme veio ao mundo, após o estrondoso sucesso dos X-Men da FOX, muita gente não sabia o que esperar. Sam Raimi sempre foi um elogiado diretor (principalmente pelo pessoal apaixonado pela trilogia “The Evil Dead”), mas ele estava entrando em um território onde os fãs são realmente perigosos. Tobey Maguire tinha um relativo sucesso, principalmente com o filme “A Vida em Preto e Branco”. Bom, o filme estreou. E foi uma bela surpresa. Maguire conseguiu segurar bem a barra do papel de Peter Parker/Homem Aranha. Willem Dafoe, apesar de momentos de overacting, foi excelente como o vilão Norman Osborne/Duende Verde. James Franco iniciava ali um bom Harry Osborne.Kristen Dunst fazia uma Mary Jane Watson mediana.  Mas a grande surpresa veio de onde menos se esperava: J.K. Simmons e seu J. Jonah Jameson. Em toda a trilogia NINGUÉM foi capaz de superá-lo, mas falarei mais disso adiante.

Meça seus comentários, parça.

                            Meça seus comentários, parça.

A história de como Parker ganha seus poderes, perde seu tio e se transforma no Amigão da Vizinhança foi otimamente contada, dando início a uma bilionária trilogia. Mas, será que conseguiriam manter o fôlego?

Homem Aranha 2 (2004)

Here comes a new challenger!

                                     Here comes a new challenger!

Dois anos depois tivemos a resposta. Conseguiram melhorar e, apesar de eu pessoalmente (depois de tantos anos) desgostar do Tobey Maguire, foi nesse filme que ele, realmente, conseguiu chegar perto do que poderia se esperar do personagem. Um novo vilão chegou: o doutor Otto Octavius ou, como conhecemos, Dr. Octopus (vivido pelo excelente Alfred Molina). James Franco continuava demonstrando o crescimento de seu personagem, enquanto Kristen Dunst continuava mediana. E J.K. Simmons mantinha o nível de seu J. Jonah Jameson nas alturas. Peter e Mary Jane tentavam engatar um romance, mas nada parecia ajudar. E pra piorar, Harry descobre que o assassino de seu pai (o Homem Aranha) é seu melhor amigo. O melhor filme da trilogia, com sobra.

Vamos ver quem tá se escondendo aí.

                          Vamos ver quem tá se escondendo aí.

Homem Aranha 3 (2007)

Dose dupla!

                                            Dose dupla!

Quando anunciaram três vilões, a galera ficou receosa. Teríamos, enfim, Venom, além do Homem de Areia e o retorno do Duende. Apesar disso tudo, os fãs esperavam que ao menos mantivessem o nível dos filmes anteriores. Mas o que vimos foi uma das maiores (com o perdão da palavra) cagadas da história de Hollywood. Desde a produção fizeram de tudo para arruinar esse filme. Fizeram Sam Raimi engolir goela abaixo Venom (o diretor odiava o personagem), e após isso ele provavelmente resolveu tacar o foda-se e fazer um filme próximo do medíocre. Mas próximo não é o suficiente: ele ficou abaixo disso. Um Peter Parker EMO enquanto possuído pela simbionte alienígena (que depois dá origem a Venom quando cai sobre Eddie Brock, vivido por Topher Grace), a aparição de Gwen Stacy (que na verdade é a PRIMEIRA namorada de Peter Parker), entre outras coisas, fizeram esse filme cair em desgraça. Ao menos um personagem se salvou: Harry Osborne. O crescimento dele chegou ao ápice nesse filme, quando ele abraça a vingança pela morte de seu pai e se torna o Duende, quando numa luta com Peter ele perde uma visão (graças a uma explosão), e como no fim ele se redime e ajuda seu velho amigo na luta final contra Venom e o Homem de Areia. A morte dele é uma das cenas mais tocantes que eu vi (opinião pessoal, pfvr).

RIP

                                                   RIP

Mas esse filme decretou o fim do Homem Aranha no cinema, pelo menos por um tempo.

O Espetacular Homem Aranha (2012)

Reboot

                              Reboot

Quando resolveram dar um reboot na história, fizeram direito. Três problemas foram imediatamente resolvidos pelo diretor Marc Webb e pelo roteirista James Vanderbilt: começaram com a Gwen Stacy ao invés da Mary Jane Watson, o lançador de teias foi criado por ele ao invés de ser natural (esqueci de criticar isso ao falar da trilogia) e o Homem Aranha, FINALMENTE, fazia piadas enquanto estava em ação. Mas isso foi o suficiente pra fazer um bom filme? Eu diria que foi uma enorme ajuda. Andrew Garfield substituiu Tobey Maguire com maestria (eu realmente prefiro Garfield que Maguire, com sobra) e o vilão foi o Lagarto (fazendo justiça ao doutor Curt Connors, que apareceu nos TRÊS filmes de Raimi, mas nunca se tornou o vilão que todos esperavam).

FINALMENTE POARR!!

                               FINALMENTE POARR!!

O drama familiar dele foi bem explorado, incluindo os falecidos pais dele na história. Baseado mais no universo Ultimate do que no clássico, esse filme fez um bom trabalho, reiniciando de forma coesa e muito bacana a história do herói.

O Espetacular Homem Aranha 2 (2014)

Hmmmmm...

                                                 Hmmmmm…

Mais uma vez três vilões confirmados (bem mais rápido que nos filmes de Raimi). E a promessa de uma das cenas mais antológicas das HQs estar presente nesse filme. Apesar de um bom funcionamento dos vilões em cena, melhor do que em Homem Aranha 3 inclusive, o filme fracassou. Tanto pela crítica quanto pelo público, que não correspondeu as expectativas do estúdio. Jamie Foxx trouxe um Electro diferente à vida (mas ainda assim bem interessante).

Essa treta foi legal pra caramba!

                                         Essa treta foi legal pra caramba!

Harry Osborne (vivido por Dane DeHaan) foi bom, mas pra mim abaixo do Harry de James Franco. Paul Giamatti trouxe um Aleksei Sytsevich caricato, mas muito bom (muito graças à qualidade do ator). A cena da morte de Gwen Stacy foi muito bem criada, dando a carga emocional necessária que a cena exigia. Mesmo assim o filme foi o fracasso retumbante que todos nós sabemos, colocando num limbo as continuações (solo ou spin-offs).

Sony-hack e a internet

A internet resolveu agir. Muitos fãs falaram que a Sony deveria devolver o personagem à Marvel. Mas claro que a Sony não seria louca de largar o osso da franquia mais lucrativa deles. Mas um acontecimento colocou o mundo nerd em polvorosa: um vazamento de arquivos e e-mails da Sony por um grupo de hackers norte-coreanos (em retaliação ao filme “A Entrevista” com, vejam só, James Franco e Seth Rogen) mostrou que Sony e Marvel já estavam conversando, tentando achar um acordo que seria benéfico pra todo mundo (Sony, Marvel E Homem Aranha). Depois disso teorias explodiram pela web (RÁ!). Mas nenhum dos lados confirmava nada. Até que…

O Acordo

Na madrugada de terça-feira (dia 10 de fevereiro), quando ninguém esperava, Sony e Marvel vieram a público anunciar que haviam achado um denominador comum para um acordo. Basicamente o personagem continua nas mãos da Sony, mas a Marvel pode utilizá-lo em seus filmes. A Marvel, por sua vez, teria parte do controle criativo nos filmes-solo do Teioso. Primeiramente ele aparecerá em algum filme da Marvel, e em 2017 a Sony lançará um novo filme-solo. Aí fica a pergunta:

E agora?

Andrew Garfield já está oficialmente fora. Agora teremos que esperar QUEM será o ator escolhido para viver o personagem. Outra dúvida é em qual filme da Marvel o Aranha dará as caras. Muitos apostam no terceiro filme do Capitão América, Guerra Civil. Nesse arco das HQs o Homem Aranha é um dos principais personagens envolvidos na treta Steve Rogers x Tony Stark, e todo mundo imagina que ele seria substituído, no filme, pelo Pantera Negra (eu acho que AINDA será mesmo), além do fato de que a história do porque a treta se inicia será, provavelmente, diferente (muitos dizem que terá algo a ver com Bucky Barnes e Howard Stark). Bom, o jeito agora é esperar.





Indicados e Minhas Apostas no Oscar

15 01 2015

Achei que o Framboesa era mais complicado (sério, é realmente difícil escolher um pior no meio de certas coisas ali), mas me enganei. Então vou fazer o do Oscar com mais convicção. Mas é complicado porque eu não assisti quase nada dos principais indicados, e isso atrapalha. Então vou tentar chutes conscientes pelo que conheço dos filmes e da recepção da crítica de cada um deles.

Uma curiosidade é que esse ano apenas 8 filmes foram indicados na categoria “melhor filme”. Juro que fiquei sem entender essa.

P.S.: em negrito, minha torcida.

Melhor filme

“Sniper Americano”

“Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)”

“Boyhood – Da Infância à Juventude”

“O Grande Hotel Budapeste”

“O Jogo da Imitação”

“Selma”

“A Teoria de Tudo”

“Whiplash – Em Busca da Perfeição”

Pelo que li sobre, aqui acho que Boyhood leva pela maneira diferente que esse filme apareceu. Mas tanto O Grande Hotel Budapeste quanto Birdman correm por fora. E Whiplash pode surpreender.

Melhor Diretor

Richard Linklater – Boyhood – Da Infância à Juventude

Alejandro González Iñárritu – Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)

Wes Anderson – O Grande Hotel Budapeste

Morten Tyldum – O Jogo da Imitação

Bennet Miller – Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo

Aqui, pelo conjunto da obra, aposto no Richard Linklater. Mas o Alejandro Gonzáles Iñarritu pode surpreender.

Melhor atriz

Marion Cotillard (“Dois Dias, uma Noite”)

Felicity Jones (“A Teoria de Tudo”)

Julianne Moore (“Para Sempre Alice”)

Reese Witherspoon (“Livre”)

Rosamund Pike (“Garota Exemplar”)

Aqui eu aposto na Rosamund Pike, mas talvez a Felicity Jones seja uma zebra.

Melhor ator

Steve Carell (“Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo”)

Benedict Cumberbatch (“O Jogo da Imitação”)

Michael Keaton (“Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância”)

Eddie Redmayne (“A Teoria de Tudo”)

Bradley Cooper (“Sniper Americano”)

Michael Keaton extremamente elogiado em Birdman deve levar, mas um surpreendente Steve Carell em Foxcather pode surpreender.

Melhor atriz coadjuvante

Patricia Arquette, “Boyhood – Da Infância à Juventude”

Keira Knightley, “O Jogo da Imitação”

Emma Stone, “Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)”

Meryl Streep, “Caminhos da Floresta”

Laura Dern, “Livre”

Aposto em Patricia Arquette, e correndo por fora a Meryl Streep.

Melhor ator coadjuvante

Edward Norton (“Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)”)

Ethan Hawke (“Boyhood – Da Infância à Juventude”)

J.K. Simmons (“Whiplash: Em Busca da Perfeição”)

Mark Ruffalo (“Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo”)

Robert Duvall (“O Juiz”)

Vejo aqui o J.K. Simmons como favorito e o Mark Ruffalo como zebra.

Melhor roteiro original

Wes Anderson, “O Grande Hotel Budapeste”

Gillian Flynn, “Garota Exemplar”

Alejandro González Inarritu, Nicolas Giacobone, Alexander Dinelaris, Armando Bo, “Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)”

Richard Linklater, “Boyhood – Da Infância à Juventude”

Dan Gilroy, “O Abutre”

O Grande Hotel Budapeste é favorito, e Birdman zebra.

Roteiro adaptado

Jason Hall – “Sniper Americano”

Graham Moore – “O Jogo da Imitação”

Paul Thomas Anderson – “Vício Inerente”

Anthony McCarten – “A Teoria de Tudo”

Damien Chazelle – “Whiplash”

Whiplash é o favorito, e A Teoria de Tudo vem correndo por fora.

Melhor fotografia

Emmanuel Lubezki – “Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)”

Robert Yeoman – “O Grande Hotel Budapeste”

Lukasz Zal e Ryszard Lenczewski – “Ida”

Dick Pope – “Sr. Turner”

Roger Deakins – “Invencível”

Aqui aposto em O Grande Hotel Budapeste, com Invencível na cola.

Melhor longa de animação

“Operação Big Hero” – Don Hall, Chris Williams e Roy Conli

“Os Boxtrolls” – Anthony Stacchi, Graham Annable e Travis Knight

“Como Treinar o Seu Dragão 2” – Dean DeBlois e Bonnie Arnold

“Song of the Sea” – Tomm Moore e Paul Young

“O Conto da Princesa Kaguya” Isao Takahata e Yoshiaki Nishimura

Seguindo o Globo de Ouro acho que Como Treinar seu Dragão 2 deve levar, mas Operação Big Hero vem forte na disputa!

Melhor filme estrangeiro

“Ida”

“Leviatã”

“Tangerines”

“Timbuktu”

“Relatos Selvagens”

Aqui aposto em Leviatã, com Ida podendo ser zebra.

Melhor canção original

“Glory” – “Selma”

“Everything Is Awesome” –  “Uma Aventura Lego”

“Grateful” – “Além das Luzes”

“I’m Not Gonna Miss You” – “Glen Campbell: I’ll Be Me”

“Lost Stars” – “Mesmo Se Nada Der Certo”

Glory deve levar, mas Grateful vem como zebra.

Melhor documentário

“O Sal da Terra”

“Citizenfour”

“A Fotografia Oculta de Vivian Maier”

“Last Days in Vietnam”

“Virunga”

Last Day in Vietnam é o favorite, e talvez O Sal da Terra possa surpreender.

Melhor figurino

“O Grande Hotel Budapeste” – Milena Canonero

“Vício Inerente” – Mark Bridges

“Caminhos da Floresta” – Colleen Atwood

“Malévola” – Anna B. Sheppard e Jane Clive

“Sr. Turner” – Jacqueline Durran

Caminhos da Floresta vem em vantagem, com O Grande Hotel Budapeste na cola.

Melhor montagem

“Sniper Americano”

“Boyhood – Da Infância à Juventude”

“O Grande Hotel Budapeste”

“Jogo da Imitação”

“Whiplash”

Aqui eu acho que Boyhood leva com sobra, com O Grande Hotel Budapeste correndo por fora.

Melhor design de produção

“O Grande Hotel Budapeste”

“O Jogo da Imitação”

“Interestelar”

“Caminhos da Floresta”

“Mr. Turner”

Deve levar O Grande Hotel Budapeste, com Interestelar de zebra.

Melhor curta-metragem

“Aya”

“Boogaloo and Graham”

“Butter Lamp”

“Parvaneh”

“The Phone Call”

Categoria que vou no chute: deve levar The Phone Call.

Melhor curta de animação

“The Bigger Picture”

“The Dam Keeper”

“O Banquete”

“Me and My Moulton”

“A Single Life”

Aqui aposto em O Banquete, com A Single Life correndo por fora.

Melhor edição de som

“Sniper Americano”

“Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância”

“O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos”

“Interestelar”

“Invencível”

Deve levar O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos, com Interestelar podendo surpreender.

Melhor mixagem de som

“Sniper Americano”

“Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância”

“Interestelar”

“Invencível”

“Whiplash”

Aposto em Interestelar, com Birdman como zebra.

Melhores efeitos visuais

“Capitão América 2: O Soldado Invernal”

“Planeta dos Macacos: O Confronto”

“Guardiões da Galáxia”

“Interestelar”

“X-Men: Dias de um Futuro Esquecido”

Aqui aposto nos Guardiões da Galáxia, com Interestelar na cola.

Melhor trilha sonora

“O Grande Hotel Budapeste”

“O Jogo da Imitação”

“Interestelar”

“Mr. Turner”

“A Teoria de Tudo”

Deve levar O Grande Hotel Budapeste, com A Teoria de Tudo vindo como zebra.

Melhor maquiagem e penteado

“Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo”)

“O Grande Hotel Budapeste”

“Guardiões da Galáxia”

Deve levar Guardiões da Galáxia, e Foxcatcher vem correndo por fora.





Indicados e Minhas Apostas no Framboesa de Ouro

15 01 2015

Eu estava aqui pensando que faz tempo que não faço essas apostas. Então esse ano vou logo fazer não só a do Oscar, mas a do Framboesa também!!

Bom, vamos lá então ao Framboesa primeiro!

P.S.: em negrito, minha torcida.

Pior filme

  • Kirk Cameron’s Saving Christmas
  • O Apocalipse
  • The Legend of Hercules
  • As Tartarugas Ninja
  • Transformers 4

Minha aposta aqui vai em Transformers 4, porque afinal é Michael Bay. Mas o ego de Kirk Cameron pode ser uma zebra!

Pior ator

  • Kirk Cameron (Kirk Cameron’s Saving Christmas)
  • Nicolas Cage (O Apocalipse)
  • Kellan Lutz (The Legend of Hercules)
  • Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
  • Adam Sandler (Juntos e Misturados)

Acho que Adam Sandler leva, mas de novo acho que o ego de Kirk Cameron pode surpreender.

Pior atriz

  • Drew Barrymore (Juntos e Misturados)
  • Cameron Diaz (Mulheres ao Ataque e Sex Tape – Perdido na Nuvem)
  • Melissa McCarthy (Tammy)
  • Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
  • Gaia Weiss (The Legend of Hercules)

Aqui aposto direto em Drew Barrymore!

Pior ator coadjuvante

  • Mel Gibson (Os Mercenários 3)
  • Kelsey Grammer (Os Mercenários 3, Legends of Oz, Think Like a Man Too, Transformers 4)
  • Shaquille O’Neal (Juntos e Misturados)
  • Arnold Schwarzenegger (Os Mercenários 3)
  • Kiefer Sutherland (Pompeia)

Aqui o Kelsey Grammer vai levar pelo conjunto da obra. QUATRO FILMES!

Pior atriz coadjuvante

  • Cameron Diaz (Annie)
  • Megan Fox (As Tartarugas Ninja)
  • Nicola Peltz (Transformers 4)
  • Susan Sarandon (Tammy)
  • Brigitte Ridenour (Kirk Cameron’s Saving Christmas)

Sem dúvidas: Megan Fox!

Pior diretor

  • Michael Bay (Transformers 4)
  • Darren Doane (Kirk Cameron’s Saving Christmas)
  • Renny Harlin (The Legend of Hercules)
  • Jonathan Liebesman (As Tartarugas Ninja)
  • Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

Aqui fico em dúvidas: Michael Bay ou Darren Doane.

Pior remake, imitação ou sequência

  • Annie
  • Atlas Shrugged: Who Is John Galt?
  • The Legend of Hercules
  • As Tartarugas Ninja
  • Transformers 4

Indubitavelmente: Transformers 4. Mas talvez Tartarugas Ninja pode aprontar.

Pior parceria

  • Quaisquer dois robôs e atores (robóticos) (Transformers 4)
  • Kirk Cameron & Seu Ego (Kirk Cameron’s Saving Christmas)
  • Cameron Diaz & Jason Segel (Sex Tape – Perdido na Nuvem)
  • Kellan Lutz & Seu Abdôme, Seus Peitorais ou Seus Glúteos (The Legend of Hercules)
  • Seth MacFarlane & Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

Kirk Cameron deve levar essa aqui, mas Transformers 4 pode levar também.

Pior roteiro

  • Kirk Cameron’s Saving Christmas
  • O Apocalipse
  • Sex Tape – Perdido na Nuvem
  • As Tartarugas Ninja
  • Transformers 4

Olha, de novo fico entre Kirk Cameron e Transformers 4.

Troféu Redentor

  • Ben Affleck (Argo e Garota Exemplar)
  • Jennifer Aniston (Cake)
  • Mike Myers (Supermensch)
  • Keanu Reeves (De Volta ao Jogo)
  • Kristen Stewart (Camp X-Ray)

Aqui eu aposto em Ben Affleck. Mas Mike Myers e Keanu Reeves vêm correndo por fora.





A Ominisciência da Quarta Dimensão

4 11 2014

Devin Townsend é um cara que gosta, realmente, de trabalhar.

Esse canadense maluco costuma lançar discos em diversos projetos, seja solo ou com uma de suas bandas. E, normalmente, são grandes discos!

Devin e uma espátula, só pelo LULZ

E hoje vou falar do mais novo álbum (ou seriam novos?): Z², dividido no disco 1 (Sky Blue), basicamente musical, e disco 2 (Dark Matters), uma epopeia de tentativa de dominação mundial do personagem criado por ele, o alien Ziltoid, the Omniscient.

Ziltoid e seu café, observando o alvo

Em Sky Blue temos algo mais próximo da sonoridade de discos como Synchestria, da Devin Townsend Band ou Epicloud, da Devin Townsend Project. Soa como algo mais intimista e passaria fácil como um disco de post-rock em alguns momentos. Uma primeira audição me levou a considerá-lo uma das melhores coisas que Townsend já gravou até hoje. Anneke van Giersbergen continua colaborando com sua maravilhosa voz, que casa de forma incrível com os vocais de Townsend. Não consigo destacar músicas desse disco, ele vale ser ouvido de ponta a ponta, toda vez.

A bela capa de Sky Blue

Chegamos ao disco seguinte: Dark Matters. Seguindo a linha sonora de Deconstruction e de discos do Strapping Young Lad, esse segundo lado de Z² traz a continuação da história do alien Ziltoid, em busca do domínio da Terra e de mais café. Com sua sonoridade pesada e interação dos personagens durante as músicas (Devin como Ziltoid, o lutador da WWE e músico Chris Jericho como Captain Spectacular e Dominique Lenore Persi, da banda Stolen Babies, como a War Princess), além dos bizarros “filhos” da War Princess, os Poozers e a arma definitiva de Ziltoid, o aparentemente fofo mas destruidor Planet Smasher. É impossível não se empolgar ouvindo essa história! A chegada de Ziltoid ao planeta, apresentado pelo Captain Spectatular a raça humana, o Poozer sequestrado por Ziltoid, a fuga desse Poozer, a descoberta dos planos de Ziltoid pela War Princess, o ataque sem piedade dela ao planeta, a prisão de Ziltoid e sua libertação por Spectacular em troca de auxílio no combate contra a War Princess, o ataque da raça humana contra ela, a traição de Ziltoid, a descoberta que faz ele ajudar os humanos e o fim da batalha, com o poderoso ataque do Planet Smasher. Já ouvi Dark Matters diversas vezes, e não me canso!

A ótima capa de Dark Matters

Enfim, ouvir Z² é uma experiência única, e que recomendo fortemente a todos!





Os Grandes Vilões de King

24 09 2014

Tá aí um tema difícil de se falar: os vilões nos livros do King.

Muitas vezes são realmente humanos. Mas outras temos humanos possuídos por alguma entidade, alienígenas, seres de outra dimensão ou algum objeto inanimado.

Eu li um post num site dos Estados Unidos que tratou isso em duas partes: um top 10 de vilões humanos e outro de vilões sobrenaturais. A maior parte deles eu já conheço, seja pelos livros ou pelas adaptações. Quase em sua totalidade eu concordo, mas provavelmente com algumas alterações de posições no ranking.

Esses posts do Den of Geek (http://www.denofgeek.us/) que eu li trazem os seguintes rankings:

Top 10 de vilões humanos

10º: Margaret White (Carrie)

9º: John “Ace” Merrill (O Corpo)

8º: “Big Jim” Rennie e Junior Rennie (Sob a Redoma)

7º: Craig Toomey (The Langoliers)

6º: Sra. Carmody (O Nevoeiro)

5º: Henry Bowers (A Coisa)

4º: George Dunahy, Greg Stammas e Samuel Norton (Rita Hayworth e a Redenção de Shawshank)

3º: William “Wild Bill” Wharton (À Espera de um Milagre)

2º: Percy Wetmore (À Espera de um Milagre)

1º: Annie Wilkes (Louca Obsessão)

Com exceção de Craig Toomey, todos os outros eu também vi pelo livro (ou conto). Annie Wilkes realmente merece o primeiro lugar. Percy Wetmore tem um nível de maldade incrível, mas é um idiota. “Wild Bill” Wharton é um completo louco, e o considero pior do que Wetmore (apesar de dois momentos de Percy o colocarem em uma disputa direta com Annie Wilkes e Henry Bowers). O trio de Shawshank é mal, mas eu não sei se os colocaria nessa lista. Henry Bowers é um caso à parte. Ele é completamente sádico, louco e mereceria um segundo lugar. A Sra. Carmody é um daqueles personagens do King que fascinam e ao mesmo tempo geram um ódio incrível. Craig Toomey é outro louco, mas é isso que o faz estar nessa lista. Pai e filho Rennie eu preciso pensar com mais calma. “Big Jim” é pior que o filho no contexto geral, mas Junior Rennie tem uma loucura acima da do pai. “Ace” Merrill é apenas um delinquente juvenil, mas um bem filho da puta mesmo. Margaret White é uma completa fanática religiosa (assim como a Sra. Carmody), mas o que ela faz com Carrie a colocaria próxima do top 5, em minha opinião. Alguns nomes que merecem comentários também são Norman Daniels (Rose Madder) e Tom Rogan (A Coisa).

 

Top 10 de vilões sobrenaturais

10º: Gage Creed e o “Simitério” de Animais (O Cemitério)

9º: O Rei Rubro (Insônia e a série A Torre Negra)

8º: O Hotel Overlook (O Iluminado)

7º: O Homem Esfarrapado (Celular)

6º: Kurt Barlow (‘Salems Lot)

5º: George Stark (A Metade Negra)

4º: Mono Blaine (A Torre Negra: Terras Devastadas)

3º: Os Leatherheads (Sob a Redoma)

2º: A Coisa, ou Pennywise (A Coisa)

1º: Randall Flagg (Dança da Morte, Os Olhos do Dragão, Hearts in Atlantis e a série A Torre Negra)

Aqui eu só não conheço George Stark. Randall Flagg é realmente o vilão supremo de Stephen King. Um antagonista realmente incrível para Roland Deschain em A Torre Negra e um filho da puta nos outros (eu não li Hearts in Atlantis e nem Dança da Morte, mas sei bem disso). Considero Flagg não o melhor vilão de King, mas uma de suas melhores criações no geral. E ainda acho que ele é o vilão Andre Linoge em A Tempestade do Século. Pennywise, a Coisa que vive embaixo de Derry, é pra mim o monstro supremo de King. Uma criatura do macroverso que praticamente criou uma cidade para se alimentar e dormir merece esse título, ainda mais por tudo o que ela faz (e fez) durante todo o tempo que lá esteve. Os Leatherheads são criaturas curiosas, não muito diferentes de seres humanos em seu âmago e sua curiosidade. Mono Blaine é uma máquina realmente cruel, mas não sei se o colocaria entre os cinco melhores. Kurt Barlow, o vampiro de King, é um ser de maldade pura e inteligência incrível. Basta ver o que ele fez ao Padre Callaham em ‘Salems Lot. O Homem Esfarrapado é difícil definir, mesmo sendo um zumbi com inteligência (cortesia de King). O Hotel Overlook é a construção mais assustadora de King (mesmo com Rose Red na disputa). A forma como ela leva Jack Torrance à total loucura é incrível! O Rei Rubro é um ser muito semelhante à Coisa, mas com uma visão diferente dos mundos. Enquanto a Coisa só quer se alimentar, o Rei Rubro é um tanto megalomaníaco e pretende tomar a Torre Negra para si. O “Simitério” é um local maldito. Gage Creed acaba entrando na brincadeira porque, possuído pelo Wendigo que habita o território Micmac, tornou-se uma das coisas mais macabras que King proporcionou até hoje. Aqui eu também cito o Buick 8 e seu porta-malas (Buick 8), o Plymouth Fury 1958 Christine (Christine) e Tak (Desespero e Os Justiceiros).





The Leftovers e o efeito das diferentes mídias

25 08 2014

Quando comecei a assistir a série, esperava algo suficientemente estranho, dado ao envolvimento de Damon Lindelof (um dos nomes por trás do fenômeno “Lost”). Mas o que aconteceu foi um tanto inesperado.

Após nove episódios, a trama fica cada vez mais WTF. Não digo que isso é ruim, contanto que eles consigam fazer o que não fizeram em “Lost”: explicar pelo menos a maior parte do mistério.

Mas eu estou apostando em uma outra coisa.

Quando a HBO anunciou uma segunda temporada, eu entrei em frenesi e me vi obrigado a ler o livro, porque a quantidade de WTF já tinha batido qualquer recorde que eu tenha presenciado.

Comprei. Li.

O livro tinha muito pouco a explicar.

PUQ FAZ IÇU, livro??

Ok, tive um melhor vislumbre do que os Remanescentes Culpados são, como agem e outras coisas, que na série ainda é um pouco superficial (se bem que nos últimos episódios ficou um pouco mais claro pra mim). Mas a série, para minha total descrença, ainda é MELHOR que o livro. Só que ambos não explicam praticamente nada.

E é esse o ponto que eu queria chegar: estou achando que temos um novo “Lost” pela frente (pelo menos no quesito mistérios não resolvidos). Talvez um pouco menor e com menos mistérios, mas ainda assim os que já apareceram chegam a impressionar.

Vou ficar só por aqui mesmo. Corro o risco de começar a soltar spoilers se tentar prosseguir.

Polícia do spoiler tá de olho em mim





Minha vida com King (ou o que já li do Rei)

1 08 2014

A partir do próximo post vou começar a falar sobre alguns dos livros de Stephen King que eu já li.

Vou tentar falar o mínimo da história (e evitar o máximo de spoilers) que eu puder, e dar uma opinião do que achei do livro.

Já estou no 32º livro do King em, creio eu, oito anos desde que li meu primeiro livro dele: Celular.

Trarei aqui obras mais conhecidas, como “Carrie”, “O Cemitério”, “O Iluminado” e “Christine”, e outros menos conhecidos do pessoal que apenas acompanha de longe, como “Duma Key”, “Salem’s Lot”, “Rose Madder” e “Desespero”.

No final, farei alguns posts especiais sobre a saga de Roland Deschain, “A Torre Negra”.

Se alguém tiver um pedido em especial, estou aberto a eles. E, caso não tenha lido, o lerei com prazer para fazer tal resenha!

 

Bom, semana que vem devo iniciar os posts.

Até lá!





Stephen King, o Mestre do Terror Moderno (ou meu autor favorito)

31 07 2014

Estou especulando (mentalmente) fazer um post sobre o Stephen King há eras. Pra ser específico, isso é prometido desde o post sobre Christine, escrito em 14/10/2008! (o link pro texto: https://watchingnow.wordpress.com/2008/10/14/minha-vida-com-meu-plymouth-fury-ou-christine-o-carro-assassino/)

Desde então eu passei por um monte de coisas, escrevi sobre várias outras, mas nunca perdi de vista um dia poder escrever sobre o Rei. Eu só esperei o momento (próximo de) certo pra fazer isso. Acho que ainda não é esse, mas como estou lendo o 32º livro dele, acho que já tenho bagagem suficiente pra isso.

 

Breve histórico

 

Stephen Edward King nasceu em 21 de setembro de 1947, em Portland, no Maine. Formado em Inglês pela Universidade do Maine, King teve seu primeiro sucesso literário oriundo de sua época de universitário. Ele fez rascunhos da história, mas depois os descartou. Sua esposa Tabitha (que ele conheceu na universidade) achou os rascunhos e o incentivou terminá-lo a lançá-lo. Bingo: sucesso absoluto. Ele continuou escrevendo, mais como um modo de manter sua família (que foi crescendo quando os filhos nasceram), enquanto travava também um duelo com o alcoolismo. Ele retratou bem isso no personagem Jack Torrance, no fantástico livro “O Iluminado”. Em 19 de junho de 1999, King sofreu um gravíssimo acidente enquanto caminhava numa estradinha próxima a sua residência. Ele teve múltiplas fraturas, e por pouco não teve uma perna amputada. Mas ele sobreviveu, e em alguns livros após isso demonstrou esse acidente de modos distintos. O principal deles foi na sua épica série “A Torre Negra”, em que ele detalha de modo cru o acidente, mas mostra que foi salvo da morte por algum dos personagens.

King é mais conhecido por suas histórias de terror, mas também sabe como poucos escrever um bom drama ou romance, como por exemplo o livro “Love: A História de Lisey” ou os fantásticos contos “A Milha Verde” (que gerou o filme “À Espera de um Milagre”) e “Rita Rayworth e a Redenção de Shawshank” (que virou o filme “Um Sonho de Liberdade”). Também existem outros contos mais intimistas, como “O Corpo” (adaptado pro cinema no filme “Conta Comigo”), onde quatro amigos fazem uma viagem para encontrar um garoto morto. E também temos algo de conto de fadas. O livro “Os Olhos do Dragão” foi escrito como uma história para sua filha Naomi, à época com 13 anos.

Mas o terror é sua marca registrada. Ele consegue fazer qualquer coisa se tornar algo assustador. Um carro (um Plymouth Fury em “Christine” ou um Buick 8 no livro homônimo), uma bicicleta ergométrica (no conto “A Bicicleta Ergométrica”), telefones celulares (em “Celular”). Também faz o mesmo com animais : o cachorro raivoso em “Cujo” e o gato que volta do além em “O Cemitério”. Ele também usa muito o artifício de dimensões paralelas, com a qual conseguiu conectar diversos de seus livros em um mesmo universo. “A Torre Negra”, por exemplo, tem desdobramentos em diversos livros, tais como “Insônia”, “Hearts in Atlantis”, “Dança da Morte”, “O Talismã” e “A Casa Negra”, “Salem’s Lot”, os contos “Tudo é Eventual” e “As Irmãzinhas de Elúria”, entre muitos outros. Também é interessante a conexão entre “Rose Madder” e “Desespero”, em que uma mesma personagem aparece nos dois livros.

King também escreveu roteiros para séries e filmes para TV. Ele roteirizou um episódio para “Arquivo X”; trabalhou em “Creepshow”, juntamente com o mito George A. Romero; criou a série “Haven”; também trouxe, juntamente com Lars Von Trier, a série Kingdom Hospital; a série “The Dead Zone” foi baseada em seu livro”; King também criou os roteiros pras mini-séries “Rose Red” e “The Storm of the Century”; outras mini-séries baseadas em livros do King foram “O Iluminado” e “Dança da Morte”. Atualmente temos em andamento “Under the Dome”, que conta com envolvimento direto de King na produção e com alguns roteiros de King.

Enfim, nesses 66 anos King já conseguiu assustar muita gente mundo afora. E até hoje, cerca de 8 anos depois do primeiro livro que li dele, ainda não consigo parar de querer me assustar com suas histórias.

P.S.: ainda esse ano eu pretendo ler a biografia dele. Com isso acho que esse texto poderia ser melhor.

 





WORLD CUP FIFA 2014 ™ – A COPA DAS COPAS

16 07 2014

Isso aqui é um blog de cultura (inútil)? Sim, eu sei.

Mas a Copa me permite abrir essa exceção!

 

Primeiramente, vou falar de tudo o que aconteceu até a abertura.

Todo aquele povo nas ruas contra a Copa, a #nãovaitercopa rolando solta no twitter e no facebook… e o receio de que isso tomasse realmente as ruas durante a Copa, além do receio de que TUDO DARIA ERRADO.

Só que a Copa começou. E tudo correu de modo inesperadamente bom, a ponto de até a mídia europeia dizer que essa foi, sim, a “Copa das Copas”. O povo (ou pelo menos uma enorme parte dele) resolveu abraçar a seleção, e as manifestações ficaram bastante restritas.

 

Agora, vamos ao que o povo quer saber: o futebol!

 

Até nisso, meu amigo, eu preciso dizer: A COPA DAS COPAS! COISA LINDA!!

A sequência de zebras que apareceram foi algo impressionante.

 

Fase de grupos

No grupo A (Brasil, Croácia , México e Camarões) tudo ficou dentro de uma normalidade. Vitórias brasileiras contra Croácia (3×1) e Camarões (4×1) e um empate sem gols contra a pedra no sapato México, que com vitórias contra Croácia (3×1) e Camarões (1×0), obteve a segunda vaga no grupo.

No grupo B (Holanda, Chile, Espanha e Austrália) começou a rolar a zueira. Logo de cara a Holanda destroçou a Espanha (incríveis 5×1!) e o Chile venceu a Austrália (3×1). Na rodada seguinte, num jogo emocionante, a Holanda bateu a Austrália (3×2), praticamente sacramentando a eliminação do país dos cangurus. Mas o jogo seguinte fechou a tampa do caixão. De Austrália E Espanha. Vitória chilena (2×0) e disputa pela liderança na última rodada! Aí, a lógica veio: Holanda bateu o Chile (2×0) e a Espanha se despediu com um bom resultado contra a Austrália (vitória por 3×0).

No grupo C (Colômbia, Grécia, Costa do Marfim e Japão), a Grécia vinha como azarão, correndo por fora. Colômbia e Costa do Marfim vinham como favoritas. A Colômbia realmente sobrou no grupo, com três vitórias (3×0 contra a Grécia, 2×1 contra a Costa do Marfim e 4×1 contra o Japão). Mas a Costa do Marfim acabou sendo superada na última rodada. E exatamente pelo azarão Grécia, que após a derrota pra Colômbia e um empate contra o Japão (0x0) jogou todas as suas fichas nesse último jogo. E num final emocionante, com um pênalti sofrido por Georgios Samaras (e convertido por ele), sacramentou a vitória grega (2×1) e a heroica classificação!

Ah, o grupo D. Chamado de grupo da morte (Uruguai, Costa Rica, Inglaterra e Itália) e que todos imaginavam que seria uma disputa ferrenha entre as três seleções campeãs do mundo, tendo a Costa Rica como sparring para ver quem faria o maior saldo de gols. O que se viu foi uma história completamente diferente. E fascinante. A Itália bateu a Inglaterra (2×1), e o Uruguai venceu a Costa Rica. NÃO. A Costa Rica, num jogo ESPETACULAR, virou o placar pra cima do time celeste (3×1) e começou a saga. Na rodada seguinte, o Uruguai consegue uma heroica vitória contra a Inglaterra (2×1), e a Itália… foi batida pela surpreendente Costa Rica (1×0). Com isso, já tínhamos um classificado no grupo da morte: a inesquecível Costa Rica. E a Inglaterra já eliminada. Faltava a segunda vaga, disputada por Uruguai e Itália. E o Uruguai conseguiu uma vitória suada (1×0), enquanto Costa Rica e Inglaterra faziam um jogo morno e empatavam (0x0).

No grupo E (Suíça, Equador, França e Honduras) a França era franca favorita, mesmo vindo de resultados não tão bons. Conseguiu duas vitórias (3×0 contra Honduras e 5×2 contra a Suíça) e um empate contra o Equador (0x0). A Suíça, que venceu o Equador (2×1) e goleada pela França disputou a vaga até o último jogo com o mesmo Equador. Com a vitória contra Honduras (3×0) ela obteve a segunda vaga do grupo.

No grupo F (Argentina, Bósnia e Herzegovina, Nigéria e Irã) a Argentina, como a Colômbia, sobrou: três vitórias (2×1 contra a Bósnia e Herzegovina, 1×0 contra o Irã e 3×2 contra a Nigéria), mas o futebol não foi convincente. A Nigéria conseguiu a segunda vaga (com um empate contra o Irã em 0x0 e uma vitória contra a Bósnia e Herzegovina por 1×0).

O grupo G (Alemanha, Portugal, Gana e Estados Unidos) teve a Alemanha líder, após massacrar Portugal (4×0), empatar com Gana (2×2) e bater os Estados Unidos (1×0), seguido pelos Estados Unidos, que mesmo com a derrota para a Alemanha venceu Gana (2×1) e empatou com Portugal (2×2) e avançou na competição. Já Gana e Portugal, do craque Cristiano Ronaldo, foram pra casa mais cedo.

No grupo H (Bélgica, Argélia, Russia e Coréia do Sul) a Bélgica venceu seus três jogos (2×1 Argélia, 1×0 Rússia e 1×0 Coréia do Sul), mas não mostrou o futebol vistoso que muitos esperavam. A Argélia, que empatou com a Rússia (1×1) e venceu a Coréia do Sul (4×2) protagonizou a segunda grande zebra dessa Copa, e se classificou em segundo lugar.

Os grandes destaques ficaram por conta de David Luiz e Neymar (Brasil), James Rodriguez (Colômbia), Thomas Müller (Alemanha), Arjen Robben (Holanda), Bryan Ruiz (Costa Rica), Karim Benzema (França), Feghouli (Argélia) e Lionel Messi (Argentina). Mas os maiores destaques, na verdade, vieram do gol. Grandes atuações de Ochoa (México), Claudio Bravo (Chile), Tim Howard (Estados Unidos), Mbolhi (Argélia), Enyeama (Nigéria) e Keylor Navas (Costa Rica). Mas um destaque negativo ficou por conta do craque Luiz Suárez. Graças a uma mordida em Chielini, da Itália, ele foi excluído da Copa, além de uma punição (a meu ver severa) por parte da FIFA: nove jogos oficiais da seleção fora e quatro meses afastado dos gramados.

 

Oitavas-de-final

Com os duelos decididos, vamos aos jogos.

Brasil x Chile

Num jogo muito disputado, com direito a bola na trave do chileno Pinilla, o Brasil se classificou nos pênaltis. Depois de um 1×1 no tempo normal e na prorrogação, o Brasil venceu a cobrança de pênaltis por 3×2. Mas no jogo mesmo o Chile foi bem superior, e criou muito mais chances do que a seleção da casa.

Colômbia x Uruguai

Após o baque da perda de Suárez, seu melhor jogador, o Uruguai foi dominado pela Colômbia durante os 90 minutos. O time do jovem (e artilheiro da Copa) James Rodriguez bateu o Uruguai por 2×0, e avançou pela primeira vez às quartas-de-final de uma Copa do Mundo.

Holanda x México

Tivemos um México guerreiro, que saiu na frente e lutou com todas as forças contra a poderosa Holanda. Ochoa, um dos melhores goleiros da Copa, mais uma vez fez milagres em campo. Mas o forte ataque holandês, com uma ajudinha do árbitro no final do segundo tempo, providenciaram a virada da Laranja Mecânica: 2×1 e a vaga na próxima fase.

Costa Rica x Grécia

Um duelo digno de oitavas-de-final! Um jogo lá e cá, com chances dos dois lados e ambos os goleiros trabalhando muito. Mas o jogo acabou 1×1 no tempo normal, e na prorrogação nenhum dos times conseguiu ampliar o placar. Pênaltis! Aí brilhou a estrela de Keylor Navas. Ele defendeu uma cobrança do grego Gekas, e o jogo acabou 5×3 para a Costa Rica, mais uma vez fazendo história.

França x Nigéria

A brava Nigéria bem que lutou para tentar segurar o resultado, mas o jogo de retranca deles (mais uma ótima atuação de Enyeama) não foram suficientes para segurar o forte ataque francês. No fim, 2×0 pra França.

Alemanha x Argélia

Um dos melhores jogos da Copa. Um duelo ferrenho durante o tempo normal, em que a Alemanha partiu pro ataque, abrindo espaços para o rápido contra-ataque argelino, que era barrado por uma atuação magistral de Manuel Neuer, jogando praticamente como um líbero. Na prorrogação o jogo realmente pegou fogo. A Alemanha conseguiu abrir 2×0, mas a Argélia não se rendeu até o último minuto, conseguindo ainda diminuir o placar e cair de pé diante de uma seleção que era favorita ao título.

Argentina x Suíça

A forte retranca suíça conseguiram segurar a Argentina por mais de 90 minutos. Inclusive, pelo que jogou, merecia levar o jogo para os pênaltis. Mas um lampejo (mais um!) de Messi na prorrogação acabou com as chances da Suíça de tentar a vaga: 1×0 Argentina.

Bélgica x Estados Unidos.

Um jogo quente, mas que se tornou realmente eletrizante na prorrogação. Em uma atuação magistral de Tim Howard, que fez incríveis 16 defesas durante a partida, a Bélgica venceu os Estados Unidos por 2×1, numa prorrogação em que a Bélgica rapidamente fez 2×0, os Estados Unidos empataram e pressionaram até o fim, mas não tiveram um atacante eficiente para buscar o empate.

 

Quartas-de-final

França x Alemanha

Em mais uma ótima atuação de Neuer, a Alemanha conseguiu a classificação, mesmo não mostrando seu melhor futebol: 1×0 contra a França, que vinha fazendo uma campanha acima do esperado antes do início da Copa. Os franceses lutaram, mas não puderam contra os alemães.

Brasil x Colômbia

A Colômbia vinha como uma das sensações dessa Copa. O Brasil, aos trancos e barrancos. Mas, aparentemente, a camisa pesou nessa partida. A Colômbia não mostrou aquele futebol alegre, maroto, que vinha mostrando em outros jogos, e o Brasil conseguiu (mesmo que truncando o jogo no meio de campo com o Fernandinho) se impor. A vitória do Brasil por 2×1, apesar disso, não foi o grande assunto da partida. Numa entrada desleal (não vou aqui dissertar sobre se foi de propósito ou não) do zagueiro colombiano Zuñiga, o atacante brasileiro (e até então o melhor jogador da seleção na Copa) Neymar saiu de campo contundido. Após o jogo a verdadeira gravidade da lesão veio à tona: uma fratura na terceira vértebra da região lombar. Neymar está fora da Copa. O Brasil sentirá o golpe?

Argentina x Bélgica

Como no jogo anterior, a Bélgica vinha como uma da sensações dessa Copa. Só que era isso antes de a Copa começar. A seleção belga ainda não tinha mostrado o futebol que o mundo esperava dela. E a Argentina, como o Brasil, vinha de vitórias conseguidas mais graças ao talento individual de Messi do que do conjunto todo. A Bélgica, aparentemente, esqueceu o futebol no jogo contra os Estados Unidos (sua melhor partida na competição). A Argentina, mesmo sem um futebol vistoso, pressionou os belgas da melhor forma que podiam, e saíram com a vitória: 1×0. E a vaga nas semi-finais.

Holanda x Costa Rica

No jogo mais emocionante das quartas-de-final, Holanda e Costa Rica duelaram por 120 minutos, sem ninguém mover o placar. Mas foi um jogo acirrado, com a Costa Rica tendo momentos em que poderia surpreender a Holanda, mesmo que a Holanda fosse, realmente, superior na maior parte do jogo. Mas os pênaltis aguardavam um dos momentos mais comentados da Copa: antes do fim da prorrogação, Loius Van Gaal substituiu seu goleiro titular Cillessen, pelo reserva imediato Krul. Ninguém entendeu aquilo. Nem Cillessen. Mas Van Gaal sabia o que estava fazendo. Com duas ótimas defesas, Krul conduziu a Holanda a mais uma semi-final de Copa do Mundo: 4×3.

 

Semi-final

Brasil x Alemanha

Esse jogo tinha tudo para ser um dos mais disputados da Copa. Mas o que se viu foi um dos maiores massacres da história da Copa do Mundo. Em um primeiro tempo desastroso, o Brasil conseguiu levar 4 gols em incríveis 6 minutos e 40 segundos, e no final o placar mostrou: Brasil 1×7 Alemanha. Os brasileiros estavam atônitos, em completo choque. E apenas choravam. Mas prevaleceu a seleção que jogou futebol durante toda a Copa.

Holanda x Argentina

Mais uma vez, outra batalha de 120 minutos. E outro 0x0. Mas um jogo disputado tecnicamente. E taticamente. Mas o placar poderia ter sido diferente, se não fossem ótimas atuações dos sistemas defensivos de ambos os lados (principalmente Mascherano e Romero do lado argentino). Mas dessa vez Van Gaal não optou por Krul. Ele foi forçado a uma terceira substituição antes da hora. E a Argentina agradeceu. Romero bancou o Krul, defendeu dois pênaltis, e a Argentina chegou à final, após 24 anos: 4×2.

 

Disputa do terceiro lugar

Brasil x Holanda

O Brasil foi ao jogo querendo ao menos terminar de forma honrada a Copa do Mundo. A Holanda optou por jogar futebol. Resultado? 3×0 Holanda, com dois gols advindos de erro da arbitragem (um pênalti que foi, na verdade, falta fora da área e um gol iniciado de um lance em impedimento). Mas a Holanda, mesmo assim, mereceu o resultado, pois o Brasil se mostrou apático em praticamente todo o tempo. Uma Copa do Mundo com final melancólico e vexatório para os donos da casa.

 

A Grande Final

Alemanha x Argentina

Um jogo emocionante desde o início! E mais uma vez, uma batalha de 120 minutos. Alemanha e Argentina mostraram ao Brasil como se joga futebol, e fizeram um dos melhores jogos da Copa do Mundo. No final, mais uma vez, prevaleceu a equipe com o melhor futebol da competição: 1×0 Alemanha. Mas a Argentina caiu de pé, indo além das expectativas de todos. Aplausos aos gigantes Mascherano e Romero, em minha opinião os melhores jogadores argentinos na Copa. Mas sobraram Neuer, Hummels, Lahm, Schweinsteiger, Özil, Müller, Schürrle e o herói da noite, Götze, autor do único gol da partida.

ALEMANHA CAMPEÃ!