Oscar de Melhor Animação: As Duas Animações que Assisti

26 02 2016

Vou falar brevemente sobre as duas animações que vi e que concorrem ao Oscar.

Primeiro vou tratar sobre a surpresa brasileira “O Menino e o Mundo”.

O Menino e o Mundo 1

Esse filme é uma grata surpresa, com uma bela (porém simples) animação, saída da cabeça de Alê Abreu. A viagem lúdica a qual a história te leva começa com o garoto que vai viajando por vários lugares após seu pai partir num trem e nunca voltar. Em algum momento ele resolve partir numa jornada em busca de seu pai, e vai conhecendo pessoas com as quais passa a viajar e viver situações que se encaixam em nosso mundo, principalmente no Brasil atual. Não vou estragar o final, que é realmente belo.

Eu admito que preciso rever o filme para compreender melhor toda a ideia que o diretor tentou passar, porque na primeira vez eu realmente não consegui gostar realmente. Os traços são muito simples, porém é essa simplicidade que torna o filme tão atraente em meio as recentes animações em CG da Disney/Pixar ou a Dreamworks (as duas maiores potências nesse estilo).

O Menino e o Mundo 2

Falando em Disney/Pixar o outro filme que vi foi o maravilhoso “Divertida Mente” (Inside Out), que eu já falei especificamente num post anterior.

Inside Out 1

A animação fala de Riley. Ok, não exatamente dela, mas dos sentimentos que vivem dentro dela: Alegria, Tristeza, Medo, Raiva e Nojinho. A história começa desde seu nascimento até o começo da adolescência. Conforme o tempo passa vemos como esses sentimentos trabalham dentro da garota, principalmente a Alegria e a Tristeza. Após uma mudança de Riley e sua família vemos como a Alegria tenta manter o controle da garota, mas algo dá seriamente errado e é necessário se correr contra o tempo antes que algo ruim aconteça.

Vi esse filme duas vezes, mas logo na primeira foi o suficiente para essa animação se tornar uma de minhas cinco favoritas. A forma como a Pixar se reergueu após dois filmes não tão bons assim, nos dando uma maravilhosa aula de como lidar com nossos próprios sentimentos.

Inside Out 2





Divertida Mente *ou como a Pixar mostrou que ainda manja dos paranauê*

17 06 2015

Divertida Mente (Inside Out) é o 15º longa de animação da Pixar.

insideout-teaser-2-580x328

A Pixar sempre primou por trazer filmes maravilhosos, com histórias tocantes e divertidas (algumas nem tanto, vide Carros 2 ou Universidade Monstros). Mas mesmo os filmes ruins deles são um pouco acima da média. O caso é que nos últimos anos, após o lançamento de Valente, a Pixar parecia encarar problemas. Universidade Monstros não teve a recepção que esperavam, a produção de Newt foi cancelada e Os Bons Dinossauros teve seu lançamento adiado. Parecia que a Pixar estava enfrentando uma crise de meia idade. Mas agora podem esquecer isso.

Oi Alegria!

Oi Alegria!

Divertida Mente mostra que, além de estarem com a mesma pegada de sempre, eles ainda provam porque são os mestres em nos fazer, num curto espaço de tempo, chorar de rir e ir às lágrimas de tristeza. Isso eles fazem como ninguém!

O filme trata da garota Riley e seus sentimentos. Mas os sentimentos de modo, digamos, palpável. E vemos como trabalham a Alegria, a Tristeza, o Raiva, a Nojinho e o Medo enquanto Riley vai crescendo. Porém, um problema sério no Centro de Comando faz com que as coisas saiam de controle.

DEU RUIM

DEU RUIM

Não vou além disso, porque qualquer coisa que eu disser pode estragar a aventura. Sim, aventura mesmo, é isso que o filme nos leva.

Gosto de tudo da Pixar, mas sempre tenho uma tríade acima: Toy Story 3, Up e Wall-E. E agora Divertida Mente se encaixa no mesmo patamar dessas três obras de arte cinematográficas. Parabéns, Pixar!